Mundo teve 15 mil eventos climáticos extremos nos últimos 20 anos

VÍTIMAS FATAIS PASSARAM DE MEIO MILHÃO

Cachoeira no gelo

Chegam a ser assustadores os números dos últimos 20 anos de desastres naturais que aparecem em novo levantamento feito pelo instituto alemão Germanwatch, mesmo sem considerar o furacão Haiyan que acaba de devastar as Filipinas. Foram duas catástrofes diárias, em média.

Segundo o Global Climate Risk Index (Índice Global de Risco Climático), entre 1993 e 2012, mais de meio milhão de pessoas morreram em decorrência direta de aproximadamente 15 mil eventos climáticos extremos. Já os prejuízos econômicos foram de US$ 2,5 trilhões.

“A tragédia humana causada pelo super tufão Haiyan será apenas registrada em relatórios futuros. Mas nossos resultados são um alerta para mostrar que as políticas climáticas e um melhor gerenciamento de desastres são urgentes”, explicou Soenke Kreft.

O índice aponta que Honduras, Mianmar e Haiti foram os países que mais sofreram nos últimos 20 anos. Considerando apenas 2012, Haiti, Filipinas e Paquistão foram os que registraram mais perdas.

Mapa de eventos climáticos

O Germanwatch destaca que oito dos dez países no topo no índice são nações em desenvolvimento e com baixa renda per capita. Além disso, apresentam baixa industrialização e por isso praticamente não contribuíram para as mudanças climáticas.

Entre os eventos extremos aparece o furacão Sandy, que assolou boa parte do Caribe e da Costa Leste norte-americana, o tufão Bopha, que atingiu as Filipinas em 2012 matando mais de mil pessoas, e as enchentes da temporada de monção no Paquistão em 2010, as piores já registradas no país.

Aqui na América do Sul o índice salienta a seca na Amazônia Ocidental em 2010, quando o Rio Negro atingiu um recorde de baixa.

“O ano de 2015 representa o limite, é quando precisamos estabelecer o novo acordo climático, e estruturas internacionais para lidar com desastres. Os países reunidos agora na Conferência do Clima de Varsóvia (COP 19) precisam ter isso em mente”, concluiu Kreft.

Comente o artigo ou use a nossa página de CONTATO para fazer consultas sobre produtos: