Velha mídia tenta importar o pânico da crise econômica internacional


Partido da imprensa Golpista

TERRORISMO BARATO

O Chefe de Redação

A exemplo da crise da marolinha de 2008 a velha mídia volta a botar as unhas de fora para tocar terror no leitor desinformado que, depois de dar uma passada rápida de olhos nas manchetes penduradas nas bancas de jornais, passa o dia inteiro buzinando a frase escandalosa no ouvido dos outros. A intenção é criar um efeito manada igual ao que resultou nos prejuízos dos impressionáveis de três anos atrás.

Bastou a primeira chacoalhada das bolsas de valores provocada pela irresponsabilidade dos banqueiros, financistas e especuladores internacionais e suas marionetes nos governos de determinados países para que o Partido da imprensa Golpista imediatamente tentasse instalar, aqui dentro, o problema que é deles, lá fora.

Não é que não se deva ficar de olho nessa segunda onda da esbórnia financeira — e que todos sabiam que se repetiria — mas servir a crise na mesa do brasileiro logo na entrada da comilança de dinheiro, como fez o Correio Braziliense na edição impressa desta terça-feira, 9, é forçar a barra em nova tentativa de importar o pânico alheio.

Mais evidente se torna a manipulação do jornal da Capital Federal ao ilustrar a matéria com uma montagem do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, fazendo uma careta diante de um punhado de dólares. É deprimente, o PiG continua a subestimar a inteligência alheia.

PiG - Correio Braziliense

* * *

O Chefe de Redação


7 comentários em “Velha mídia tenta importar o pânico da crise econômica internacional

  • 9 de agosto de 2011 em 19:33
    Permalink

    E agora? Bolsas recuperaram hoje praticamente tudo que perderam ontem. Cumékifica então o título desse pasquim amanhã? Que a crise ameaça o Natal do brasileiro… NO ANO QUE VEM?

    Resposta
  • 9 de agosto de 2011 em 17:08
    Permalink

    Natal, sô?
    O que era prá ser importado (bacalhau, p/ex) já tá nos navios a caminho.
    O que não conseguir exportar (carne, p/ex) taca no mercado interno que vai prá brasa.
    O que tá ruim prá eles é que tá bão dimais prá nóis!

    Resposta
  • 9 de agosto de 2011 em 14:26
    Permalink

    boa, da-lhe mesmo uma canelada. kkkkkk

    Resposta
  • 9 de agosto de 2011 em 12:51
    Permalink

    A treta é influenciar o funcionalismo federal e distrital. Muita gente, uma rede gigante de relacionamento. O disse-me-disse amplifica no boca-a-boca. É da natureza da categoria. Daí disparam a bomba por e-mails pro resto do país. Então a bola de neve chega aos estados e municípios. A imprensa do DF sabe muito bem como funcionam as coisas por aqui. Servidor é mesmo muito sensível a fofocaiadas sobre sinistroses.

    Resposta
    • 9 de agosto de 2011 em 14:00
      Permalink

      É vero. 99% desse jornaleco só circula nos gabinetes do congresso, esplanada dos ministérios, autarquias e repartições públicas. Ninguém lê essa melda no resto do país. Os servidores é que podem fazer a boataria prosperar.

      Resposta
  • 9 de agosto de 2011 em 11:14
    Permalink

    Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém, sempre ensinou o velho deitado. O que revira o estômago é o peixe podre que vem embrulhado nas páginas desses jornais sujos.

    Resposta
  • 9 de agosto de 2011 em 10:30
    Permalink

    Hehehe… Como diz o economista Paul Krugman, sobre a origem dessa turbulência toda, o que faz os EUA parecerem frágeis não é a matemática financeira, é a política.

    Os problemas estão todos em um lado só. Especificamente, eles são causados pela ascensão da extrema direita em todo o globo (ops!), que está preparada para criar repetidas crises.

    Ora, isso é filme reprisado. E quem é que é o porta-voz de tais interesses que tungam o bolso do cidadão? Ela, mídia, o “braço armado” que contamina as mentes susceptíveis e destrói as despreparadas.

    Abs, WR

    Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: