Uma reflexão espirituosa sobre marchas, protestos e badernas

O NEGÓCIO AGORA É RIR PARA NÃO CHORAR

Matrix Comunismo

Depois de fazer a Revolução Russa, acabar com as diferenças entre classes sociais e dedicar sua vida inteira ao comunismo, Lênin finalmente morre.

Por ser ateu e ter perseguido os religiosos, termina sendo condenado, num tribunal de exceção, a queimar pela eternidade nas chamas do  inferno.

Ao chegar lá, descobre que a situação é pior que na Terra: o regime é fechado, os culpados submetidos a sofrimentos incríveis, não há alimento para todos e os pobres demônios são desorganizados.

Para complicar, Satanás comporta-se como um rei absolutista – sem qualquer respeito por seus empregados ou pelas almas penadas que aguentam o suplício infernal.

Lênin, indignado, rebela-se contra a situação: organiza passeatas, faz protestos, cria sindicatos com diabos descontentes e incentiva marchas, passeatas e todo tipo de baderna.

Em pouco tempo, o inferno está de cabeça para baixo: ninguém respeita mais a autoridade de Satanás, os demônios pedem aumento de salário, as sessões de suplício ficam vazias, os encarregados de manter acesas as fornalhas fazem greve.

Satanás já não sabe o quer fazer: como seu reino pode continuar funcionando se aquele rebelde subverte todas as leis?

Tenta um encontro com ele, mas Lênin, alegando não conversar com opressores, manda um recado através de um comitê popular, dizendo que não reconhece a autoridade do Chefe Supremo.

Desesperado, Satanás vai até o céu conversar com São Pedro.

– Vocês se lembram daquele sujeito que fez a Revolução Russa? – pergunta Satanás.

– Lembramos muito bem – responde São Pedro. – Comunista… e odiava a religião.

– Mas ele é um bom homem – insiste Satanás. – Mesmo que tenha seus pecados, não merece o inferno; afinal, procurou lutar por um mundo mais justo! Na minha opinião, ele devia estar no céu.

São Pedro reflete algum tempo.

– Acho que você tem razão – diz finalmente. – Todos nós temos nossos pecados e eu mesmo cheguei a negar Cristo por três vezes. Mande ele pra cá.

Feliz da vida, Satanás volta para sua casa e envia Lênin direto para o céu. Em seguida, com mão de ferro e violência, termina com os sindicatos de demônios, dissolve o comitê de almas descontentes, proíbe assembleias e manifestações de condenados.

O inferno volta a ser o famoso lugar dos tormentos que sempre assustou o homem. Louco de alegria, Satanás fica imaginando o que deve estar acontecendo no céu.

“Qualquer hora São Pedro vai estar batendo aqui, pedindo que Lênin retorne!”, ri consigo mesmo. “Aquele comunista deve ter transformado o paraíso em um lugar insuportável!”

O primeiro mês passa, um ano inteiro passa, e nenhuma notícia do céu. Morto de curiosidade, Satanás resolve ir até lá em cima ver o que está acontecendo.

Encontra São Pedro na porta do Paraíso.

– E aí, como vão as coisas? – pergunta.

– Muito bem – responde São Pedro.

– Mas está tudo mesmo em ordem?

– Claro! Por que não haveria de estar?

“Este cara deve estar fingindo”, pensa Satanás. “Vai querer me empurrar o abacaxi de volta”.

– Escuta, São Pedro, aquele comunista que eu mandei, tem se comportado bem?

– Muito bem!

– Nenhuma anarquia?

– Pelo contrário. Os anjos são mais livres que nunca, as almas fazem o que bem desejam, os santos podem entrar e sair sem hora marcada.

– E… Deus, não reclama deste excesso de liberdade?

São Pedro olha, com uma certa piedade, o pobre diabo na sua frente.

– Deus? Camarada, Deus não existe!

Leituras do Favre

Um comentário em “Uma reflexão espirituosa sobre marchas, protestos e badernas

  • 22 de março de 2014 em 10:55
    Permalink

    Tô rindo de esguicho até agora!!!

    Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: