Um gringo para chamar de seu com o inglês na ponta da língua

Curso de inglês para aprender a namorar

VENCENDO BARREIRAS CULTURAIS NO AMOR

Todo mundo aqui no Brasil já deve ter percebido um súbito aumento no número de solicitações de amizade no Facebook e demais redes sociais por parte de estrangeiros.

Simultaneamente, eles vêm cada vez mais acessando sites e blogs em busca de informações gerais sobre o país — nas áreas econômica, cultural, esportiva e sobre a nossa gente, entre tantas.

Quem der uma zapeada pelos chats dos sites de relacionamento virtual vai encontrar gringos e gringas tentando a sorte na loteria do amor num volume de apostas sem precedentes.

Qualquer levantamento nas redes revela a supremacia de paulistas correspondendo em todas as modalidades de namoro online. Justifica-se pelo mundo de gente altamente conectada em comparação com os demais estados.

Agora, a surpresa: as mulheres demonstram uma especial preferência por forasteiros, embora nem tudo seja um mar de rosas. O maior empecilho para o sucesso do romance é a dificuldade com o idioma.

O que também levaria um número cada vez maior de candidatas a noivas de gringos a procurarem cursos de línguas em São Paulo, pela natureza cosmopolita da capital.

Curso de língua inglesa

Para compreender a origem do fenômeno não é necessário muito malabarismo mental: é que agora viramos a bola da vez. Um dia teria de acontecer e, enfim, vivemos o nosso melhor momento histórico.

O chamado primeiro mundo em crise e nós crescendo — menos do que gostaríamos e mais do que a velha mídia anuncia, mas andando para frente enquanto lá fora os caras vestiram a carapaça de caranguejos.

Se o conservador FMI prevê dificuldades por uma década adiante, os bancos internacionais, mais realistas, sinalizam com cenários sombrios de até 20 anos para as economias dos EUA e da zona do euro. Que dureza!

Em contrapartida, o Brasil se transforma num virtuoso canteiro de obras de infraestrutura para garantir a sua expansão neste mesmo período, atraindo empresas de todos os cantos do planeta.

E isto, sem falar no impacto pontual dos megaeventos esportivos, como a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos do Rio, que sozinhos vão trazer centenas de milhares ou alguns milhões de turistas em seu legado.

Há 10 anos quem poderia imaginar um cenário assim? Até aquela época nós é que saíamos em busca de oportunidades contando apenas com a cara e a coragem porque nem Internet havia direito para nos orientar.

Hoje não, os estrangeiros se aproximam, sondam o terreno, tateiam à distância com o auxílio tecnológico do melhor aparato que pode existir: a informação fartamente disponível em blogs e redes sociais.

Namoro online com gringos

Esta comodidade permite o planejamento de viagens ou mesmo de novas experiências migratórias em busca de melhores chances de realização do que em seus países — afetados por recessão, desemprego e insegurança quanto ao futuro.

Historicamente, sabe-se que quem se arrisca nestas jornadas rumo ao “desconhecido” são, por motivos óbvios, as pessoas solteiras ou com laços mais frágeis nas relações com a terra de origem.

E é natural que, imediatamente após a chegada, procurem se integrar o quanto antes a grupos nativos para atenuar o choque cultural ou o trauma da brusca mudança. Sim, é traumático!

O principal obstáculo costuma ser representado pelo idioma português, reconhecidamente uma língua cheia de nuances e difícil de ser apreendida por estrangeiros, seja qual for a sua nacionalidade.

Daí porque muitos chegam a se fechar em guetos. Fora, obviamente, os que irão se aventurar na descoberta e compartilhamento da nova cultura em que estarão integrados.

Pelo que se percebe, em especial o Facebook, por sua abrangência, tende a se transformar, se não na principal, numa das principais ferramentas de adaptação do forasteiro.

E até que ele tenha um domínio mínimo da língua, a interlocução será feita necessariamente através do inglês. Por uma questão básica de sobrevivência ele vai procurar pessoas que o compreendam.

Curso de inglês em São Paulo

Aí nós retornamos ao começo desta viagem virtual: amizades e relacionamentos.

Quem já experimentou a sensação de viver fora sabe o quanto dói a solidão. Não é brincadeira não ter mais com quem contar — parentes, amigos de infância, de colégio, vizinhos ou caras conhecidas.

Ver derreter as suas referências pessoais, sociais, emocionais, geográficas e culturais para substituí-las por outras é um processo extremamente penoso, angustiante e até depressivo. Por isto é que o indivíduo trata logo de arrumar companhia, que ninguém é de ferro.

Hoje, o caminho mais curto para um estranho estabelecer contato mais profundo com grupos de interesse específicos está nos sites de relacionamentos ou no Facebook, pela característica multicultural desses ambientes.

Quem se ocupa em estudar o assunto garante que quanto mais internacional a atmosfera, mais fácil e instigante essa tarefa se torna. Isto pelo mundo afora, mas e aqui?

Dados recentes indicam que o Brasil tem cerca de 40 milhões de solteiros e que provavelmente 10% deles estão tentando a sorte com o amor nas redes sociais, onde é comum topar com um gringo.

O IBGE confirma que, entre nós, a grande maioria dos casais binacionais é formada por mulheres brasileiras casadas com homens de outras nacionalidades.

Curso de idioma inglês em Curitiba

Segundo o instituto, somente em 2009, 5.339 brasileiras disseram “sim” a seus pretendentes oriundos de fora do país, enquanto 1.712 homens brasileiros se casaram com estrangeiras.

Psicoterapeutas supõem haver nisso algum fetiche ou mesmo a fantasia de que o homem estrangeiro seja melhor do que o brasileiro em alguns aspectos. Enfim…

Daí não causar nenhum espanto que as mulheres ultimamente estejam, a exemplo das paulistas, em ampla maioria nas salas de cursos de línguas em Curitiba, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife ou Fortaleza.

Afinal, como qualquer relação afetiva convencional que se pretenda duradoura, o namoro online internacional também deve ser construído com transparência e compreensão sobre as características culturais do pretendente e, quem sabe, futuro companheiro.

Sendo assim, não compensa perder tempo com tradutores automáticos capengas para se relacionar nas redes — como muita gente tenta fazer!

Até porque gringo não costuma entrar nessa para dar uma de nuvem passageira, como alguns cabeças-de-vento pátrios em suas paqueras e azarações inconsequentes.

Namoro e amizade com estrangeiros na rede social

Para eles o processo é rápido, como tudo na Internet. Ultrapassa com velocidade a fase meramente virtual, das trocas de mensagens por SMS, passando por webcams, pelo Skype e até chegar ao encontro físico propriamente dito.

Quando o casal se toca pela primeira vez, é como se eles fossem velhos amigos, que sabem das aspirações, desejos e interesses da outra pessoa.

E isto só se consegue com o domínio da língua, para que tudo não se transforme numa aventura mal compreendida, arriscada ou até mesmo desvairada.

Quanto mais clara for a compreensão entre duas pessoas tão diferentes, mais fácil será superar uma série de desafios. Ao driblar barreiras culturais tão drásticas, menores serão os riscos de se abandonar pelo caminho os cacos de corações partidos.

Na pior das hipóteses, caso não seja possível encontrar um gringo para chamar de seu, restará o consolo de ter enriquecido o currículo com um inglês à altura para se candidatar a um emprego muito melhor do que o atual.

Quem sabe numa multinacional cheia de gringos dando sopa

– – –

Yuri Vandereer (aqui, com o auxílio luxuoso de Mariamante) é editor do blog HotGaragem

Deixe um comentário simpático neste artigo: