Ricos ficaram mais endinheirados com a crise econômica em 2012

Mais ricos do mundo

A QUEM INTERESSA A CRISE?

A Cachaça da Happy Hour

Crise só interessa mesmo a quem tem muito dinheiro, já que é um dos mais eficazes — e cruéis! — mecanismos para concentrar a renda nas mãos de meia dúzia de espertos. A corda sempre acaba arrebentando do lado mais fraco, alguma dúvida?

Por isso é que a velha mídia insiste em bombardear sem dó nem piedade o bom resultado das nossas medidas anticíclicas, a fim de importar a bagunça financeira que rola no chamado “mundo desenvolvido”. Por que perder a “boquinha”?

Tanto é verdade que apesar da crise econômica que afeta a economia global, as 100 pessoas mais ricas do planeta ficaram ainda mais podres de ricas em 2012 e ganharam mais 241 bilhões de dólares (500 bilhões de reais), revelou a consultoria financeira Bloomberg no seu resumo anual.

“O ano passado foi ótimo para os bilionários do mundo”, disse numa boa e na maior cara de pau o magnata John Catsimatidis, proprietário da Red Apple Group Inc.

Só 16 dos 100 maiores magnatas do mundo viram as suas fortunas reduzidas em 2012, em especial o brasileiro Eike Batista — mas nada como um ano após o outro para se recuperar com sobras.

O mais rico continua a ser o mexicano Carlos Slim, com uma fortuna avaliada em 75,2 bilhões de dólares, e que viu crescer 21,6% os seus investimentos nas empresas de telecomunicações, no setor imobiliário ou as suas ações em grupos de comunicação. Slim é proprietário de Telmex, o que lhe dá o monopólio das comunicações no México.

O segundo mais rico, o norte-americano Bill Gates, cofundador da Microsoft, aumentou os seus bens cerca de 12,6% e conta com um patrimônio de 62,7 bilhões de dólares.

O terceiro é o espanhol Amancio Ortega, o mais rico de Europa, dono da Zara. Tem uma fortuna de 57,5 bilhões de dólares e ficou 22,2 bilhões mais que rico que no ano anterior.

O quarto lugar das fortunas mundiais é do norte-americano Warren Buffet, que desde o início da crise tem pedido sanções legais para os responsáveis pelos bancos e pediu a Obama várias vezes que aumentasse os impostos sobre as grandes fortunas. Tem nos cofres quase 48 bilhões de dólares.

O quinto é o sueco Ingvar Kamprad, fundador da IKEA, com uma fortuna em torno de 43 bilhões de dólares.

Outros supermilionários viram crescer desmesuradamente as suas fortunas neste ano de crise e de reduções salariais para os trabalhadores.

Magnatas como o saudita Alwaleed bin Talal Ao Saud ou o chinês Lê Shau Kee ampliaram os seus já imensos patrimônios em 65,2% e 42,4%, respectivamente.

O brasileiro Eike Batista foi o milionário que mais “empobreceu”, perdendo 10,1 bilhões, e o título de mais rico do Brasil para Jorge Paulo Lemann, um dos donos da AB InBev, a maior fabricante de cervejas do mundo.

Essa figura também é dona da rede de fast food Burger King, da ALL assim como de ferrovias nos EUA, das Lojas Americanas, da Submarino, Americanas.com e outros interesses difusos.

Com Carta Maior

Deixe um comentário simpático neste artigo: