Repressão espanhola espanca ‘garçom herói’ e ‘escudo humano’

Charge sobre o garçom herói espanhol

COMO NO FUZILAMENTO, DE GOYA

O Chefe de Redação

Aconteceu o que já era previsto: os brucutus da repressão voltaram para se vingar do garçom que tornou-se herói ao revelar ao mundo a truculência das tropas de choque espanholas.

Alberto Casillas, o garçom espanhol que protegeu manifestantes dentro de seu restaurante e tornou-se um símbolo nacional da oposição ao governo de Mariano Rajoy, foi agredido por policiais durante os recentes protestos em Madri, no último sábado, 29.

As informações são da World Riots 24h, comunidade internacional que monitora e registra casos de repressão a manifestantes.

Na terça-feira anterior, 25, Alberto Casillas havia servido de escudo humano para proteger os manifestantes e virou um símbolo instantâneo do movimento 25S.

Ele não deixou a polícia entrar no estabelecimento para deter ou dispersar as muitas pessoas que ali se refugiaram.

Casado, pai de dois filhos, Villa trabalha no Restaurante Prado, parte do hotel Vincci Soho, no centro de Madri, próximo ao epicentro da manifestação.

Garçom herói espanhol espancado

Sua atitude virou destaque nos principais jornais espanhóis e foi “trending topic” no Twitter.

“Não sou herói, foi um ato de solidariedade humana e qualquer cidadão teria feito o mesmo”, disse à imprensa espanhola.

“Ouvi um dos agentes dizer que ia entrar para ‘identificar’ as pessoas. Disse-lhe que ali não entravam, porque só tinha gente inocente. Eu estava com muito medo, porque caso eles entrassem, poderia ser um banho de sangue”, afirmou.

Durante a meia hora de tensão, algumas pessoas que estavam no outro lado da rua começaram a atirar pedras contra a polícia e uma delas acabou acertando o braço de Casillas.

O garçom pediu para que parassem imediatamente, como é possível ver no vídeo.

“A ação policial foi desmedida. Havia mulheres feridas. Reconheço que votei no PP [Partido Popular], mas não concordo com isso, com um governo que se esconde atrás das pistolas”, desabafou.

Com Opera Mundi

Deixe um comentário simpático neste artigo: