Produtores de Cachaça se preparam para invadir mercado americano

Cachaça - bebida oficial do Brasil

LEGALIZE A CACHAÇA E SALVE A CAIPIRINHA

A Cachaça da Happy Hour

A cachaça, o elixir nacional, pode estar prestes a entrar em uma nova fase, enquanto o Brasil se prepara para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016.

Após uma longa campanha dos produtores da aguardente e do governo brasileiro, os Estados Unidos decidiram iniciar um processo que leve ao reconhecimento do tradicional destilado de cana como uma bebida à parte.

Assim, os fabricantes não serão mais obrigados a rotularem seu produto como “Brazilian rum”.

Além disso, em maio, a Diageo, conglomerado gigante do setor de bebidas, jogou sua força internacional por trás da Ypióca, terceira maior marca de cachaça do Brasil, que foi adquirida por cerca de US$ 470 milhões.

“Acho que isso [realização da Copa e da Olimpíada no Brasil] será uma grande dádiva para a cachaça”, afirmou Martin Cate, dono do Smuggler’s Cove, um “tiki bar” (bar especializado em coquetéis, com temática tropical) em San Francisco.

Mas antes, a cachaça terá de se livrar da associação com a caipirinha, que lhe rende a fama de “destilado de um drinque só”.

A moda dos “tiki bars” nos últimos anos é uma oportunidade para isso. É que a bebida se encaixa facilmente no exótico mundo dos “tikis”, encharcados de rum.

No Lani Kai, no bairro nova-iorquino do SoHo, Julie Reiner faz o Triângulo das Bermudas misturando cachaça com suco de limão, calamansi (pequena fruta cítrica nativa das Filipinas), leite de coco e suco de lichia.

O PKNY, em Manhattan, vende o Don Gorgon, combinando a aguardente com Aperol, suco de limão siciliano e xarope simples, e coroando a mistura com água com gás e canela ralada.

Salve as Caipirinhas!

O Smuggler’s Cove, por sua vez, serve uma batida de coco, cachaça e gelo picado.

“A maioria dos bares de coquetéis hoje em dia tem no cardápio um coquetel de cachaça que não a caipirinha”, disse a mixologista (profissional especialista em coquetéis) Aisha Sharpe.

A melhora na qualidade também contribui para ampliar a reputação da aguardente.

“Há essa percepção de que a cachaça é tipo um combustível para foguetes”, disse Steve Luttmann, fundador da marca Leblon.

“Era algo meio merecido, porque as que vimos inicialmente eram mais industriais.”

No Smuggler’s Cove, o coquetel El Draque usa um tipo de destilado que muitos americanos nem sabem que existe: a cachaça envelhecida.

“Como a maioria dos bartenders nunca foi ao Brasil, eles não sabem do grande papel que as cachaças envelhecidas desempenham na cultura”, disse Dragos Axinte, cuja cachaça Novo Fogo é mantida por dois anos em barris antes usados em bourbons.

Isso pode mudar em breve. Matti Anttila, presidente da Cabana Cachaça, cogita lançar a partir de 2013 uma linha inédita de aguardentes envelhecidas em madeiras brasileiras.

A São, marca orgânica lançada em 2011, também terá um produto envelhecido dentro de mais ou menos um ano.

E a Leblon pretende lançar a sua versão em outubro.

Luttmann vê a versão envelhecida, que no Brasil é tomada pura, como solução para a limitada imagem da cachaça como bebida famosa para o calor.

“É como a margarita e o mojito: quando é verão, as vendas sobem.”

No The New York Times, via FSP Mercado

Deixe um comentário no blog