Preconceito de classe leva mídia a cometer suicídio

Grande mídia comete suicídio

Do Blog Chefe de Redação

Historiadores no futuro terão trabalho para escrever o papel da grande imprensa brasileira no período 2003-2010. Pesquisar nos arquivos será frustrante porque o Brasil impresso mostrará ser visceralmente contraditado pelo Brasil real. Se uma vista d´olhos tiver como escopo a coleção de manchetes diárias dos grandes jornais e as capas das principais revistas semanais de informação, o pesquisador irá detectar que nunca existiu tão grande descompasso entre o que a mídia não viu (e noticiou) e o que a população viu (e vivenciou).

A MÁ VONTADE COM O PRESIDENTE

Por Washington Araújo *

Não raras vezes sou instado a responder a esta questão: “Por que nossa grande mídia tem tanta má vontade com o presidente Lula?” É tema recorrente nas mensagens que recebo, nas perguntas de estudantes de faculdades de Jornalismo e em almoço com colegas de profissão.

Sou levado a crer que a questão martela a têmpora de nove em cada grupo de 10 pessoas dedicadas a estudar o “fazer jornalístico” no Brasil. Mas até a pergunta comporta diversas variações de intensidade e inflexão. Algumas destas: “Por que a grande imprensa está sempre contra Lula?” E mais: “O que Lula fez para que nossa principal emissora de TV aberta, nossos principais jornais e nossas revistas semanais de maior tiragem lhe fizessem marcação cerrada, expressassem tamanha oposição ao seu governo?” E chega a ser risível esta outra formulação: “Por que será mais fácil nevar em Teresina que a grande mídia mostrar alguma consideração para com Lula?”

Reforçar o preconceito

O certo é que a questão é uma só e desperta a paixão de quem se habilita a respondê-la. A resposta não comporta muro nem esperança de que o muro se mova. Temos aqueles que são rápidos no gatilho verbal e resumem tudo a mero preconceito de classe, preconceito cultural, preconceito social, preconceito lingüístico, preconceito – enfim.

Os que concordam com esta tese entendem que não há outra justificativa razoável. Acreditam que os barões da grande imprensa prezam seus ritos, tanto os escritos quanto os verbais; ritos que lhes asseguram ser sua atividade profissional o próprio Quarto Poder e se vêm com poder de influenciar para o bem ou para o mal as políticas de governo. Proclamam seu poder em conquistar corações e mentes tanto para beatificar quanto demonizar autoridades do primeiro escalão. Entendem que faz parte da esfera pública em que atuam a decisão para tratar a cobertura do governo em três modos: “banho maria”, fogo brando ou crestado em altas labaredas. E, por fim, são useiros e vezeiros na arte de criar dificuldades imediatas para vender facilidades midiáticas. Há ainda aqueles que respondem à pergunta sobre a má vontade da grande imprensa para com o presidente com outra pergunta: “Não foi este governo que diminuiu o protagonismo da grande mídia?”

Destacam, então, que não faz muito tempo, coisa de menos de um decênio, era comum no Brasil que o presidente da República, em pessoa, levasse aos barões da mídia suas ideias e até mesmo detalhes do planejamento de políticas públicas de vulto que pretendia levar à realidade. Tudo feito com anterioridade regulamentar, antes de ser do conhecimento de seu primeiro escalão e muito antes de o assunto ser objeto de debate no Congresso Nacional. Mas, como manter as tradições, os ritos e o arraigado teor simbólico das relações mídia-governo se o governo passou a ser visto pelos tradicionais interlocutores midiáticos como não se estando à altura dos desafios postos à sua frente?

Aqueles que nutrem este tipo de preconceito em relação ao presidente desconhecem ou não concordam com a percepção que a experiência substitui o diploma formal. São pessoas que chegam mesmo a expressar concordância e respeito para com o conhecimento dos povos originários do Brasil. Um xamã, uma rezadeira, um manipulador de ervas medicinais pode ter um conhecimento mágico que transcende as leis da medicina.

Infelizmente, o presidente da República não pode se beneficiar destas clareiras do pensamento. E não importa se é líder nato, carismático, se destrincha o código de comunicação com as raízes do Brasil. Nada disso importa já que não reforça o preconceito. Simples assim.

O sorriso da aquiescência

Temos também aqueles que justificam essa má vontade do baronato devido às ações do governo para diluir a força da meia dúzia de atores políticos – os que se entendem porta-vozes da “grande imprensa” – e criar espaço para nova gama de atores, os “grandes” das mídias regionais e locais.

Aqui, é indispensável citar dados da Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom): em 2003, o governo Lula publicou anúncios em 182 municípios, atingindo 499 veículos (incluindo rádio, jornal e TV). Em 2004, esse número subiu para 757 municípios e 2.165 veículos. Em 2006, com 1.358 municípios e 4.451 veículos. Devido a um orçamento menor em 2007, os anúncios veiculados pela Secom caíram para 913 municípios em 3.434 veículos. Em 2008, o governo divulgou peças publicitárias em 5.297 veículos, sendo 2.597 rádios e 297 TVs, número muito superior aos 499 meios de comunicação que recebiam recursos para fins de promoção em 2003. Nesse período, o número de municípios atingidos pelos anúncios do Executivo federal cresceu de 182 para 1.149.

São números estarrecedores para uns poucos e esclarecedores para a vasta maioria da população. Em qualquer atividade empresarial, o bem maior a ser protegido não fica no lado esquerdo do peito, e sim, no bolso.

Para se ter uma visão de grandeza dos valores envolvidos, tenhamos em mente que para promover a imagem e as ações do governo nos quatro primeiros meses de 2010, já foram desembolsados R$ 240,7 milhões – 63% a mais do que no mesmo período de 2009. E mais: o orçamento total para a propaganda chega a R$ 700,4 milhões, 29,2% a mais do que no ano passado. Estão de fora dessa conta os valores gastos pelas estatais. Números que falam por si, dando conta que o bolo (da publicidade oficial) começou, de fato, a ser fatiado de forma menos concentradora e mais transparente e os comensais, que em 2003 eram contados a poucas centenas, hoje já chegam aos milhares.

A gritaria é grande, a cara feia, amuada, toma lugar no rosto que antes mantinha monolítico sorriso de aquiescente aprovação e então novas bandeiras passam a ser agitadas aos ventos (e eventos) da ocasião. Porque uma coisa é democratizar o acesso aos veículos de comunicação e outra coisa é convidar mais gente para pegar sua fatia do bolo. Ainda assim, há que se franzir o cenho e partir para cima, não obstante os melhores pedaços do bolo se destinarem às mesmas bocas.

O que a mídia não viu

Explico. Em 2009, a quase totalidade dos milhões de reais investidos em publicidade pelo governo “autoritário e estatizante” de Lula foi destinada aos que integram o consórcio “grande imprensa”: 62% das verbas publicitárias do governo e das estatais foram para as emissoras de televisão, 12% para as rádios, 9% para os jornais, 8% para as revistas, 1,5% para a internet, 1,5% para outdoors e 6% para as outras mídias. Só a TV Globo ficou com quase 60% dos recursos da televisão. Os três principais jornais do país (Folha de S.Paulo, Estado de S. Paulo e O Globo) abocanharam o grosso dos recursos do setor.

Sempre existiu no Brasil uma mídia coberta com a capa da invisibilidade e outra mídia, conhecida como grande mídia, atenta representante das grandes redes de rádio e televisão, das maiores empresas publicadoras de jornais e revistas e dos grandes portais na internet. Esta mídia historicamente detinha 100% da interlocução com o governo. Mudou a forma como o mundo vê o Brasil. E mudou a forma como o Brasil se deixa ver pelo mundo. E foi para melhor.

Hoje somos mais bem explicados pela imprensa internacional que pela nacional. E não é só o Brasil que parece ter mudado de eixo. Time, Le Monde, El País, New York Times, Newsweek, Financial Times, Der Spiegel não passam 30 dias sem publicar extensa matéria laudatória (1) ao Brasil como potência do presente e do futuro imediato, (2) a Lula como maior líder político da atualidade ou dos últimos dez anos, (3) explicando a conjunção de fatores que faz o Brasil ser alvo da opinião pública mundial. E não precisa ser muito iluminado para entender que Le Monde, El País e Financial Times são alguns dos jornais deste mundo cujas opiniões contam. Goste-se ou não.

É irônico que o que não se faz em casa se faz fora de casa. Aqui, o governo Lula passaria em brancas nuvens ante o olhar embaçado de nossos grandes jornais e revistas e ante as lentes turvas de nosso telejornal de maior audiência, o Jornal Nacional.

Historiadores no futuro terão trabalho para escrever o papel da grande imprensa brasileira no período 2003-2010. Pesquisar nos arquivos será frustrante porque o Brasil impresso mostrará ser visceralmente contraditado pelo Brasil real. Se uma vista d´olhos tiver como escopo a coleção de manchetes diárias dos grandes jornais e as capas das principais revistas semanais de informação, o pesquisador irá detectar que nunca existiu tão grande descompasso entre o que a mídia não viu (e noticiou) e o que a população viu (e vivenciou).

Uma história de vida

Se antes, nos anos 1990, a praxe era repercutir semanas a fio qualquer reverência prestada ao Brasil – e ao seu presidente – partindo de autoridade estrangeira – ou também por ser o Brasil tema de reportagem com viés positivo por seus congêneres midiáticos estrangeiros, hoje se tornou lugar comum deixar passar batido, fazer de conta que os aplausos são para o presidente de Trinidad e Tobago e a aprovação internacional ter como alvo a região onde antes ficava o Congo Belga e, sendo assim, nada mais previsível que passar ao largo, repercutir de forma melancólica e burocrática, em matérias claramente forçadas (o contrário de entusiasmadas). Repercussão feita apenas para cumprir tabela e tentar diminuir a distância abissal a separar nossa opinião pública (da população) da opinião publicada (dos donos dos grandes veículos de comunicação).

E a verdade começa a incomodar: desde 1889, ano em que foi a proclamada a República, até os dias que correm, nunca tivemos um presidente da República tão premiado, festejado, elogiado em fóruns internacionais como o atual presidente. Prêmios de organismos internacionais – como os do sistema Nações Unidas – parecem chegar em penca. O mesmo ocorre com aqueles que lhe são conferidos por entidades como o Fórum Econômico Mundial de Davos, o do governo espanhol, do Centro Woodrow Wilson etc.

Mas, nada disso parece demover a grande imprensa de sua posição preconcebida, de fazer vista grossa para o fato que o presidente para chegar ao ponto em que se encontra – desfrutando de aprovação popular interna na oscilando entre 76% e 83% e contando amplo respaldo internacional, e não obstante colocar em jogo essa reputação em bolas divididas com o Irã – tem uma história de vida que, como bem assinalou recentemente editorial da revista americana Newsweek. Publicou a revista que “Lula percorreu um longo caminho do faminto Nordeste do Brasil para a sala da Assembleia-Geral das Nações Unidas, mas o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, conhece cada passo desse caminho”.

Esforços pela paz mundial

Embora soe irônico quando colocado sob perspectiva histórica, não faz muitos anos que a imprensa entrava em êxtase ao noticiar que um presidente brasileiro seria agraciado com o título de doutor honoris causa concedido pela na Universidade de Coimbra. As fotos da solenidade acadêmica preencheriam páginas centrais, as manchetes trariam a marca do deliberado ufanismo como se estivessem noticiando ser um brasileiro o primeiro humano a pisar a superfície de Marte. O contraste é brutal e não dissimulado.

Quando o preconceito embota o juízo humano, a verdade se dilui com a celeridade do orvalho ante os primeiros raios do sol. É fato que nossa grande imprensa prefere se mirar mais no espelho da Universidade portuguesa que no espelho do mundo simbolizado por tão ilustres organismos multilaterais entesourados no sistema Nações Unidas, como a Unesco, o Unicef, a FAO, a ActionAid. A grande imprensa prefere investigar razões ocultas, e não lídimas, para a concessão dos prêmios. Trata-se de performance patética e atrapalhada pelos que detêm o poder real nos meios de comunicação. Porque, já nos ensinava Albert Einstein em meados dos anos 1940, é bem mais fácil rachar um átomo que quebrar um preconceito.

E, no entanto, é a mesma grande imprensa que faz força para entortar o que é direito. E há deliberado esforço nisso.

A política externa de Lula é vista com olhos tomados por clara alucinação preconceituosa. Quando não, motivada por absoluta má-fé. Retiram-lhe os créditos por vocalizar os anseios dos países africanos e por ousar criar embaixadas em países em que o PIB é menor que o do estado do Piauí. A ação do Itamaraty só é legítima perante nossa grande imprensa se for destinada a manter o status quo: continuar sua função de habitual anonimato entre os países afluentes que integram o circuito Elizabeth Arden. O Ministério das Relações Exteriores do Brasil se torna acéfalo, inoperante e fracassado se passa a flertar com o chamado circuito Madre Teresa de Calcutá, convenhamos, circuito infinitamente menos sedutor. Mas por onde trafega 2/3 da humanidade.

Cassam os créditos do Itamaraty por haver conseguido protagonismo único no G-20. É quando a grande imprensa forma fileiras (de primeira a quinta colunas) com potências ocidentais, sempre desejosas por novas guerras – forma perversa e rápida de reequilibrar suas finanças, já que armas precisam tanto de guerras quanto guerras precisam de armas. E em seu desejo de empanar o brilho de nossas conquistas no contencioso nuclear envolvendo o Irã e o Ocidente vigora o vale-tudo: opta-se por menosprezar as ações do Brasil conseguindo, em menos de 19 meses, gerar ambiente propício à diplomacia no terreno minado entre o Irã e o Ocidente, terreno que começou a ficar minado ainda naquele período glacial que remonta a 1979.

Chama atenção que o Brasil – que tanto se orgulha de sua história de pacifismo –, tantas vezes mencionado em curso de formação para a carreira de diplomata do sisudo Instituto Rio Branco, apareça aos olhos de sua grande mídia como disposto a refugar tão bem sucedidos esforços pela paz mundial.

O passado não se pode mudar

Chega a ser impensável para nossa grande imprensa que o retirante nordestino, praticante contumaz de crimes gramaticais, vítima de adjuntos adnominais e refém de uma cultura cínica e centrada na posse do canudo universitário, possa ser acumular êxitos em tantas frentes: aplicar políticas públicas bem sucedidas a ponto de levar 23 milhões de brasileiros da classe pobre para a classe média em menos de meia década; anunciar (por golpe de sorte, penso) a descoberta de imensos campos petrolíferos na camada do pré-sal; fazer eco ao legado de Getúlio Vargas trazendo à existência legal nada menos que uma CLS, ou seja, uma Consolidação das Leis Sociais; liquidar a histórica dívida do Brasil com o Fundo Monetário Internacional, passando o país de devedor a credor; chamar de marola (e depois provar que tinha razão) a crise de 2008, considerada a pior crise econômica internacional depois da Grande Depressão de 1929, mostrando ao mundo um país com fundamentos econômicos sólidos e com suas contas inteiramente sob controle e, mais que isto, administráveis.

Se no primeiro mandato constava da publicidade governamental blasonar “o orgulho de ser brasileiro”, no segundo já estávamos em outra fase, o de sentir este orgulho. É quando o Brasil é escolhido pela Fifa para sediar a Copa do Mundo de Futebol de 2014, e o Rio de Janeiro, desbancando Chicago, Madri, Tóquio e conquistando o direito de sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Fica evidente que se o Brasil tivesse que ser escolhido para ser anfitrião dos dois mais importantes eventos esportivos do planeta contando unicamente com o apoio de sua grande imprensa, com certeza a Copa de 2014 aconteceria nos Estados Unidos e as Olimpíadas de 2016 seriam ou na Espanha ou no Japão.

E quem duvidar dessa singela afirmação basta gastar um par de horas pesquisando nos arquivos virtuais das revistas Veja e Época e dos jornais O Globo, Folha de S.Paulo e Estado de S. Paulo. Pesquisar arquivos de nossas TVs de canal aberto exigirá mais tempo, mas o resultado será o mesmo: ainda bem que quem representa a chamada grande mídia brasileira – aquela que se reúne no Instituto Millenium – não é quem representa o Brasil em fóruns internacionais.

Uma coisa que não se pode mudar é o passado. E precisamos entender que a história do presente, antes de ser objeto de historiadores, é registrada nas redações de nossos principais veículos de comunicação.

Guardiões do culto acadêmico

A situação chega a ser tão absurda e tão “comprovada” a tal má vontade de nossa grande imprensa para com o governo Lula que a edição do carioca O Globo de 18/3/2010 chegou a publicar a seguinte declaração de Maria Judith Brito, presidente da Associação Nacional de Jornais (ANJ) e executiva do grupo Folha de S.Paulo: “A liberdade de imprensa é um bem maior que não deve ser limitado. A esse direito geral, o contraponto é sempre a questão da responsabilidade dos meios de comunicação e, obviamente, esses meios de comunicação estão fazendo de fato a posição oposicionista deste país, já que a oposição está profundamente fragilizada. E esse papel de oposição, de investigação, sem dúvida nenhuma incomoda sobremaneira o governo.”

Cabe ao leitor atento, ao internauta antenado e ao telespectador perspicaz perceber que muitas redações parecem trabalhar com as seguintes diretrizes: tratar de confiscar do presidente Lula todas as conquistas de seu governo; procurar dono para essas conquistas; ridicularizar seu discurso de apelo e compreensão fáceis; minimizar suas políticas públicas e, de quebra, enxovalhar sua política externa. Qualquer êxito que lhe seja imputado, antes de sua necessária divulgação, deve passar por rigoroso esquadrinhamento, cerrada investigação e busca incessante por motivações ocultas.

A marca da maldade existe – precisa apenas ser encontrada. É nesse contexto que assume novo significado a famosa frase presidencial (revista piauí nº 28, janeiro/2009) dizendo que “o presidente Lula não lê jornal porque lhe dá azia”. E, considerando que o dono da anunciada azia continua bafejado com índice recorde de aprovação popular… não seria razoável imaginar que seria apenas ele, o presidente, a sentir os efeitos indigestos da leitura dos jornais?

No momento em que todos – à exceção da grande mídia – demonstram incondicional aprovação ao governo Lula, é bom que os diversos atores venham à boca do palco despejar toda a verdade. Ao menos de vez em quando, dizer a verdade faz bem à mente e ao espírito. Ao dizer que ler jornais lhe causava azia, será que não estava por trás a mensagem de que ele preferia não se pautar pela agenda da grande mídia?

Não seria esta sua resposta simples, direta, fazendo o trajeto do coração ao fígado derivada dos muitos anos em que foi impiedosamente atacado, ridicularizado, menosprezado pelos guardiões do culto acadêmico?

Seres débeis e mesquinhos

Avancemos mais que pensar não enlouquece ninguém, isso já se comprovou. Os milhões de brasileiros que votaram nele em cinco eleições presidenciais (1989, 1994, 1998, 2002 e 2006) teriam assim procedido graças à sua trajetória intelectual? Ou, então, será que esses milhões que o acompanharam nas vezes em que não subiu a rampa do Planalto e nas duas em que adentraram com ele o Palácio não nutriam admiração por ser ele um operário que abraçou a vida política e a passou a viver para a política?

Teria o seu governo investido menos em educação superior do que qualquer outro governo republicano? E dentre seus antecessores na suprema magistratura (é assim que também se designa o presidente do Brasil), aqueles que possuíam vistosos títulos acadêmicos, reconhecimento intelectual conferido pela Sorbonne IV (Paris), carinho e franco apreço midiátivo, por acaso, fizeram governo melhor, saíram do governo para entrar (em vida) na História?

Como deve ser mensurado o mérito de um líder político? Por que critérios este deve ser avaliado: nos seus deslizes verbais ou nos seus resultados? Na sua atestada autosuficiência intelectual ou por sua prática política fundada no diálogo e na lídima negociação na esfera pública?

E, no vácuo criado pela interdição voluntária dos êxitos do governo, o que deve fazer a grande imprensa? Simples: embaralhar, criar confusão e impedir todo e qualquer debate sobre controle social da informação. Para tanto, nada mais previsível que se apresentem como defensores legítimos da liberdade de expressão, deixando ao governo a ação caluniosa de propor a volta da censura sempre que este se atreva a acenar com a regulamentação dos artigos 221 a 223, da Constituição Brasileira de 1988.

Uma coisa é certa: não foram frutos de displicência nem distração dos representantes eleitos pelo povo brasileiro para participar Assembléia Nacional Constituinte. E do que tratam estes dispositivos constitucionais? Tratam das restrições da liberdade de comunicar; da propriedade das empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e televisiva; da concessão e permissão para tais serviços; e, ainda mais, tem o já demonizado artigo 224 da Carta Magna. Este prevê a instituição do Conselho de Comunicação Social. Portanto, agir conforme reza a Constituição, passa a ser encarado crime de lesa-pátria.

Atento leitor: chegará o momento em que não será mais necessário clamar por um jornalismo plural, responsável, sério, veraz, equânime, vacinado contra os males do preconceito e da hipocrisia moral que ganha terreno em nossas relações sociais. E não haverá de se dispensar mais esforço para derrubá-lo porque este tipo de jornalismo está com dias contados e sua queda, de tão podre, mostrará ser inevitável.

O leitor pode bem se comprazer na deleitosa tarefa de entender o jornalismo como espelho-mundo, dotado de visão e fala. Ao crítico da mídia compete um encargo mais melancólico. Cumpre-lhe descobrir a inevitável mistura de erro e corrupção por ele contraído numa longa associação com os poderosos da terra, em meio a uma raça de seres débeis e mesquinhos.

* Washington Araújo é Mestre em Comunicação pela UnB e escritor; criou o blog Cidadão do Mundo.

Publicado originalmente no Observatório da Imprensa.

* * *

Blog Chefe de Redação

Um comentário em “Preconceito de classe leva mídia a cometer suicídio

  • 19 de julho de 2010 em 18:07
    Permalink

    kkkkkkk… bem que podia sugerir uma roleta russa com essa arma ao sardenberg, miriam leitão, jabor, merval, kamel e mainardi, entre outros.

    Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: