Pré-sal é o Brasil multiplicado por cinco vezes o que vale agora

EUA DE OLHO NO EQUIVALENTE A 5 BRASIS

Charge Obama

Uma montanha de gente protestou nas ruas em junho motivada por um aumento de poucos centavos nas passagens de ônibus. Mas para defender um tesouro de muitos trilhões ninguém se mobiliza agora em defesa do nosso pré-sal. Contra a deslavada pirataria dos EUA, o ‘gigante’ prefere ficar dormindo.

PRÉ-SAL VALE 5 PIBs DO BRASIL

Por Bob Fernandes *

O pré-sal do Brasil teria reservas de, no mínimo, 70 bilhões de barris de petróleo. Pode ter até 80 bilhões de barris, segundo estimativa de quem é muito do ramo.

Isso, a preços do momento no mercado internacional, significa uns 8 trilhões e 800 bilhões de dólares. Ou algo como 20 trilhões e 400 bilhões de reais.

É dinheiro paca. Vinte trilhões e 400 bilhões de reais equivalem a uns 5 PIBs do Brasil. Cinco vezes tudo o que o Brasil produz a cada ano.

Por algo que vale US$ 8 trilhões e 800 bilhões, Estados Unidos, Inglaterra, as chamadas grandes potências fariam, farão qualquer coisa.

Espionaram e espionarão o que bem entenderem ser preciso.

Na moita, ou com a colaboração da nossa própria Polícia Federal, espionaram abertamente o Brasil até o início dos anos 2000, com FHC. Na marra, fazem e admitem fazer agora.

O COMPLEXO DE VIRA-LATA E A BOÇALIDADE

Isso é absolutamente inaceitável. Por aqui, por ignorância profunda, acentuado complexo de vira-lata, ingenuidade ou boçalidade, há quem diga ser desimportante a ciberespionagem. Ou ache que “isso é assim mesmo”.

Não é. Na Alemanha, em porções da Europa, esse é um importante debate travado nestes dias.

O parâmetro da privacidade de cada um de nós daqui por diante dependerá da reação, ou da tibieza nas reações, a essa espionagem em escala quase absoluta.

Com reservas estimadas em US$ 8 trilhões e 800 bilhões, a preços de hoje, a Petrobras e o pré-sal têm sido objeto de opiniões na mídia nas 48 últimas horas. Opiniões nos mesmos dias e quase sempre na mesma direção.

O leilão do campo de Libra, de Santos, está previsto para 21 de outubro. O governo ensaia a formação de um consórcio com a chinesa Sinopec, entre outros parceiros. Consórcio que aumentaria a presença da Petrobras no negócio.

A QUEM INTERESSA O ADIAMENTO DO LEILÃO DE LIBRA?

O que está posto é, em resumo, um debate que agora concentra duas posições:

. de um lado os que defendem a Petrobras ampliando ao máximo sua presença no negócio do pré-sal;

. a outra ponta, os que preferem a participação maior do setor privado. A estes, no momento, o que resta é defender, torcer para um adiamento do leilão do campo de Libra.

Quem entende de Petrobras avalia ser improvável que todo o sistema de defesa tenha sido quebrado e a espionagem tenha chegado até as informações mais sensíveis do pré-sal. Mas, ao mesmo tempo, considera a mera tentativa uma brutal agressão norte-americana.

Não se pode falar em “deslealdade” porque isso seria ingênuo num jogo de poder e de trilhões de dólares.

O presidente Barack Obama prometeu à presidente Dilma Rousseff transparência total nas informações sobre ciberespionagem. Isso até a quarta-feira, 11.

É ver para crer. E aguardar, a depender do desenrolar, se as agendas serão mantidas.

O leilão do campo de Libra, está marcado para 21 de outubro. E a visita de Dilma aos EUA, e a Obama, agendada para dois dias depois do anunciado leilão.

* No Terra Magazine

Deixe um comentário interessante neste artigo: