Por que sonhamos e qual o significado dos nossos sonhos?

Sonhos vívidos e EFC

O MISTÉRIO DOS SONHOS


Do blog ECOnsciência

Os fatos a seguir não deixam mesmo de ser curiosos, embora a abordagem cartesiana esteja mais apropriada como pauta para um programa de variedades na TV — do Jô Soares, na Globo, por exemplo, que por absoluta falta de conhecimento de temas complexos tem por hábito esculhambar com tudo aquilo que a sua mente não digere (sem trocadilhos).

Quem tiver o interesse em se aprofundar na compreensão dos sonhos vívidos ou lúcidos, estados alterados de consciência, experiências fora do corpo, projeção astral (projeciologia) pode começar a jornada investigando a respeito da maior autoridade brasileira no assunto, o médico e pesquisador Waldo Vieira. De todas as formas, o texto é interessante:

CINCO FATOS CURIOSOS SOBRE OS SONHOS

Os sonhos continuam deixando os cientistas perplexos, mas as pesquisas recentes investigam sobre o que sonhamos e até mesmo como poderíamos controlar os sonhos.

Quando a cabeça bate no travesseiro, para muitos é um apagar das luzes e se desligar do mundo real.

Só que enquanto isso, as células do cérebro ainda estão muito aceleradas, gerando energia suficiente para produzir os sonhos relaxantes e até mesmo os assombrosos que ocorrem na fase de movimento rápido dos olhos durante o sono.

Por que algumas pessoas têm pesadelos, enquanto outras realmente passam as suas noites em êxtase?

Assim como o sono, os sonhos são misteriosos fenômenos. Mas como os cientistas são capazes de sondar mais profundamente nossas mentes? Algumas dessas respostas eles já estão encontrando.

Eis abaixo algumas das coisas que sabemos sobre o que acontece na fantástica terra dos sonhos:

1. Sonho violento pode ser sinal de alerta

Como se pesadelos não bastassem, um raro distúrbio do sono – chamado distúrbio comportamental do sono REM – leva as pessoas a agirem fora de seus sonhos, às vezes se debatendo com chutes e gritos.

Tais sonhos violentos podem ser um sinal precoce de doenças do cérebro, incluindo a o mal de Parkinson e demência, de acordo com pesquisa publicada em 28 de julho de 2010, na revista Neurology.

Os resultados sugerem que os estágios iniciais destas doenças neurodegenerativas podem começar décadas antes de uma pessoa ou médico identificá-la.

2. Os amantes da noite têm mais pesadelos

Os baladeiros sabem que ficar acordado até tarde pode ter suas vantagens, mas sonhar certamente não é uma delas.

Pesquisa publicada em 2011 nas revistas Sleep and Biological Rhythms, revelou que pessoas que ficam acordadas até tarde são mais propensas a experimentar pesadelos, do que pessoas que costumam dormir e acordar cedo.

No estudo foi pedido para que 264 universitários classificassem a frequência com que costumavam ter pesadelos entre 0 e 4, sendo 0 nunca e 4 sempre.

Os estudantes que dormem muito tarde ficaram na média de 2,10 enquanto os do tipo que acordam cedo tiveram média 1,23. Os pesquisadores disseram que a diferença era significativa, no entanto, eles não têm certeza do que está causando uma ligação entre hábitos noturnos e pesadelos.

Entre suas suposições aparece o hormônio do estresse, o cortisol, que tem seus picos pela manhã, logo antes de acordar. Se você está dormindo, nesse momento, o aumento de cortisol pode provocar sonhos vívidos ou pesadelos, especulam os investigadores.

3. Os homens sonham com relações sexuais

Assim como em suas horas de vigília, os homens também sonham com sexo mais do que as mulheres — tanto os indivíduos que se consideram comuns como aqueles chamados galãs.

Já as mulheres são mais propensas a ter pesadelos, revela o estudo feito em 2009 pela psicóloga Jennie Parker, daUniversity of the West of England.

Ela estudou os sonhos e/ou pesadelos das mulheres, agrupando-os em três categorias: sonhos terríveis (sendo perseguida ou com sua vida ameaçada), sonhos que envolvem a perda de um ente querido ou sonhos confusos.

4. Você pode controlar seus sonhos

Se você estiver interessado em sonhos lúcidos, você pode optar por videogame. Qual o ponto em comum? Ambos representam realidades alternativas, disse Jayne Gackenbach, psicólogo da Grant MacEwan University, no Canadá.

“Se você gasta horas por dia em uma realidade virtual, isso gera prática”, disse Gackenbach ao portal LiveScience, em 2010. “Os jogadores são condicionados a controlar seus ambientes de jogo de modo que isso pode se traduzir em sonhos.”

Sua última pesquisa mostrou que as pessoas que frequentemente jogam videogames são mais propensas que as que não jogam, tendo sonhos lúcidos aonde eles se veem de fora de seus corpos. Eles também eram mais capazes de influenciar seus mundos de sonho, como se controla um personagem de um jogo.

Esse nível de controle também pode ajudar os jogadores a tornar um pesadelo em um sonho tranquilo, foi o que mostrou um estudo em 2008. Esta capacidade poderia ajudar veteranos de guerra que sofrem de estresse pós-traumático (no inglês tem a sigla PTSD).

5. Mas, afinal, por que nós sonhamos?

Os cientistas há muito se perguntam por que sonhamos, com respostas que vão desde a ideia de Sigmund Freud de que os sonhos cumprem os nossos desejos para a especulação de que essas viagens melancólicas são apenas um efeito colateral do movimento rápido dos olhos (REM).

Pelo menos parte da razão pode ser o pensamento crítico, sugere a psicóloga de Harvard, Deirdre Barrett, que apresentou sua teoria em 2012, na Association for Psylchological Science, em Boston.

Sua pesquisa revelou que as horas adormecidas podem nos ajudar a resolver quebra-cabeças que têm nos assolado durante o dia. Os aspectos visuais e muitas vezes ilógicos dos sonhos os tornam perfeitos para o raciocínio lógico conseguir resolver alguns problemas.

Assim, enquanto os sonhos podem ter evoluído originalmente para outra finalidade, eles provavelmente foram aperfeiçoados ao longo do tempo para várias tarefas, incluindo ajudar o cérebro na resolução de problemas, afirma Deirdre Barrett.

Com Ronaldo – Livreiro

2 comentários em “Por que sonhamos e qual o significado dos nossos sonhos?

  • 17 de agosto de 2015 em 18:48
    Permalink

    Waldo Vieira, meu conterrâneo! Adorei este texto, porque adoro o assunto!

    Resposta
    • 17 de agosto de 2015 em 19:31
      Permalink

      Isso mesmo, Abigail, mineiro de Monte Carmelo. Eu me dava muito bem, pessoalmente, com ele. Aprendi bastante sobre Projeciologia com o grande mentor desta área.

      Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: