Olhar da moda: na China ‘olhinho puxado’ agora é coisa de pobre

Plástica: aumento dos olhos

CÓPIAS EM SÉRIE DE MANGÁS E ANIMES

O Chefe de Redação

Cabeça de emergente: a mudança avassaladora na vida dos chineses — de bicicletas a automóveis, da aldeia à vida na cidade e férias em estações de esqui — agora se estende aos rostos. Haja bisturi!

Em apenas uma década, a cirurgia estética e plástica se tornou a quarta forma mais popular de gastar qualquer renda extra na China. Apenas casas, carros e viagens vêm antes, que ninguém é de ferro.

Não existem números oficiais, mas a Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética estimou em 2009 que a China ficava em terceiro lugar, atrás apenas de Brasil e Estados Unidos, com mais de 2 milhões de cirurgias por ano.

Além disso, o número de operações está dobrando a cada ano — a cirurgia plástica estética agora se tornou um serviço comum, tendo em vista as massas.

Pálpebra dupla

PROCEDIMENTOS EM SÉRIE

O levantamento das pálpebras e tratamentos para eliminar rugas estão na moda, assim como no Ocidente. Dois quintos dos pacientes têm cerca de 20 anos de idade.

Nacionalmente, os procedimentos mais solicitados não estão relacionados com a idade: a principal operação é projetada para fazer os olhos parecerem maiores com a adição de um vinco na pálpebra, formando o que é conhecido como pálpebra dupla.

A segunda operação mais popular é aquela que levanta a ponta do nariz para torná-lo mais proeminente: o oposto da cirurgia de nariz típica no Ocidente. A terceira é a moldagem da mandíbula para torná-la mais estreita e longa.

Entre os jovens pacientes estão candidatos a empregos que esperam melhorar suas perspectivas na força de trabalho, adolescentes que receberam a cirurgia cosmética como um presente de formatura do ensino médio e até mesmo alunos do ensino fundamental, e a maioria quer a operação nas pálpebras, dizem os médicos.

Mudanças no desenho da face

TÚNEIS NA ZONA DE CATÁSTROFE

O sistema de regulamentação chinês não acompanhou o ritmo. Segundo o Ministério da Saúde a situação pode até mesmo ser descrita como de “negligência”. A indústria estética é comparada a uma “zona de catástrofe” por causa da frequência com que acontecem acidentes.

Menos da metade das clínicas e hospitais que oferecem cirurgias plásticas ou cosméticos que foram inspecionadas está dentro dos padrões aceitáveis. Funcionários não têm credenciais profissionais, os equipamentos e materiais não atingem o nível adequado. Salões de beleza são infratores flagrantes, administrando injeções de botox e realizando cirurgias nas pálpebras.

Há clínicas com túneis subterrâneos por onde passam pacientes e médicos que querem privacidade para realizar milhares de operações por ano. O procedimento normalmente custa entre US$1,5 mil e US$ 3 mil.

Pacientes menores de 19 anos de idade são orientadas a retornar quando tiverem idade suficiente para tomar uma decisão sobre uma mudança permanente na sua aparência. Tendo renovado uma parte de seu rosto, muitos pacientes acham irresistível realizar outros procedimentos. Entre 30% e 40% deles voltam.

Matéria completa do New York Times no Último Segundo. Galeria de fotos aqui e aqui.

* * *

O Chefe de Redação

Um comentário em “Olhar da moda: na China ‘olhinho puxado’ agora é coisa de pobre

  • 26 de abril de 2011 em 17:28
    Permalink

    Pode até ser mesmo “coisa de pobre” mas que elas ficam bonitinhas, ah, isso ficam.

    Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: