Ocean Clean Up, o barco coletor de sacos plásticos no mar

FORÇA DA JUVENTUDE PROTEGE OCEANOS

Limpeza de plásticos nos oceanos

Não bolaram um esquema bilionário de faxina espacial com o uso de satélites-gari para recolher o lixo de foguetes na órbita da Terra a até 35 mil km de distância? Então, por que não tratar de algo muito mais próximo — e urgente! — como a poluição dos oceanos?

É o que propõe um jovem holandês, de apenas 19 anos, com um sistema que promete limpar cerca de 7,25 milhões de toneladas de plástico do mar, em apenas cinco anos. Delírio adolescente? Parece que não, ao menos pela lógica do custo-benefício imediato.

O projeto Ocean Clean Up é uma plataforma flutuante que se move pelo oceano e que se alia ao ambiente para eliminar quase por completo um problema que afeta gravemente a vida marinha.

Os plásticos acumulados pela força dos cinco grandes sistemas de correntes marítimas rotativas do mundo são o alvo de Boyan Slat, que não se limitou a desenhar um conceito, como também pensou em juntar a proteção ambiental à própria energia fornecida pela natureza.

Ocean Cleanup

Segundo explica, essa espécie de barco coletor completamente autossustentável combina as tecnologias com o ambiente e se alimenta através de sistemas de produção de energia solar, das correntes marítimas e da força das ondas.

No seu site oficial, o Boyan apresenta os benefícios do Ocean Clean Up e a eficácia na resolução dos problemas que um projeto desta envergadura poderá apresentar.

Bom de argumentos, o garotão tem convencido muitas pessoas por todo o mundo de que este é um conceito que poderá passar da fase de protótipo para a realidade.

O financiamento do projeto foi um dos problemas levantados. Porém, junta o útil ao agradável e encontra uma fonte de investimento ao aproveitar o próprio plástico recolhido, lucrando com ele.

“Estimamos que a venda de plástico extraído poderá fazer mais dinheiro do que se imagina que este projeto poderá custar. Direto ao ponto, poderá ser mesmo lucrativo”, explica.

Plataforma flutuante ecológica

Para além do benefício econômico, Boyan alega que não agir a favor do combate à poluição poderá “custar mais aos governos, companhias e pessoas” que ficam prejudicadas todos os anos com “a diminuição dos números de turistas, danos em embarcações e limpezas ineficientes das praias”.

Sabendo também que o plástico não fica estático nos oceanos, o rapaz apresenta um sistema que navega aleatoriamente, podendo facilmente extrair a poluição onde quer que se encontre.

Para evitar que os peixes fiquem presos nesta plataforma, o jovem gênio pensou ainda em substituir o uso de redes por barreiras infláveis, usadas também no controle de grandes manchas de óleo no mar.

E mais: por ser um sistema que opera com baixa velocidade e que não prende os animais, permite a possibilidade de fuga, evitando sua captura involuntária.

O Ocean Clean Up vem sendo premiado em tudo quanto é canto do planeta. Por conta disso, Boyan Slat conta hoje com uma equipe de 50 engenheiros, modeladores, especialistas externos e estudantes, todos envolvidos no desenvolvimento do projeto ecológico.

Com Boas Notícias

Deixe um comentário interessante neste artigo: