O marajá que colocou seis carros Rolls-Royce na coleta de lixo

VINGANÇA COMO A DE ‘UMA LINDA MULHER’

Vingança como a de 'Uma Linda Mulher'

Há quase 100 anos um delicioso incidente fez com que a marca de automóveis mais famosa e luxuosa do mundo, a Rolls-Royce, fosse associada com o lixo. As cicatrizes permanecem até hoje.

O protagonista foi um dos homens mais ricos de sua época, o Marajá de Alwar, na India. Em suas viagens à Inglaterra, ele tinha por costume sempre comprar, ao menos, três carros de cada vez.

Certo dia, durante uma visita a Londres, o marajá Jai Singh caminhava anônimo e vestido como um cidadão indiano comum pela exclusiva Bond Street, na capital inglesa.

Na ocasião, ele se deteve em um showroom da Rolls-Royce e entrou para perguntar sobre os preços e as características dos carros de luxo em exposição.

De nariz empinado, os afetados vendedores ingleses tomaram o ricaço por um indano pobre. Depois de miseravelmente ofendido, acabou expulso da loja.

Vingança como a de 'Uma Linda Mulher'

Sem se identificar e nem se abalar com o ultraje, o marajá voltou para a sua suíte no hotel e reuniu os membros da sua comitiva.

Então ordenou que comunicassem à gerência do tal showroom que o Marajá de Alwar estava interessado em comprar alguns modelos e, para tanto, compareceria pessoalmente ao local.

Depois de algumas horas, Jai Singh retornou à agência da Rolls-Royce, desta vez magnificamente trajado como uma autêntica realeza indiana.

A gerência chegou até a providenciar um tapete vermelho na entrada para acolher o marajá. Todos os vendedores se curvaram respeitosamente diante da pomposa figura.

O marajá, então, simplesmente adquiriu todos os seis carros que estavam expostos naquele momento, pagando à vista o valor total com os custos de entrega.

Imagine a alegria dos vendedores com as comissões do pacote

Pois bem, negócio fechado e de volta à Índia, o marajá ordenou à prefeitura que usasse todos os novos veículos adquiridos para a limpeza e coleta de lixo da cidade.

Isso mesmo: mandou detonar os carrões na varrição de sarjetas e transporte de rejeitos urbanos.

Vingança como a de 'Uma Linda Mulher'

Ícones supremos entre os automóveis de luxo no mundo, os Rolls-Royce estavam sendo usados no translado de resíduos e limpeza de uma paupérrima cidade do terceiro mundo.

A notícia vergonhosa (para os ingleses) se espalhou como rastilho de pólvora por todo o planeta e a reputação da marca tornou-se motivo de piada entre o público e a concorrência.

Sempre que alguém começava a se gabar na Europa ou nos EUA de que possuía um caríssimo e exclusivo Rolls-Royce, as pessoas costumavam rir, dizendo: “Qual? O mesmo que é usado na Índia para transportar lixo?”

Após este grave dano à reputação da marca, as vendas de carros Rolls-Royce caíram rapidamente e as receitas da empresa mostraram um declínio assustador.

Os proprietários da empresa, desesperados, enviaram um telegrama para o marajá na Índia, quando descobriram o real motivo que havia provocado a atitude do milionário.

Pediram sinceras desculpas e rogaram para que parasse de usar os veículos no transporte de lixo.

E não apenas isso, eles também ofereceram como demonstração de boa vontade mais seis carros novos para o marajá, livres de qualquer custo.

Quando Jai Singh percebeu que a empresa Rolls-Royce havia aprendido a lição, pagando inclusive um preço muito alto por isso, ele enfim decidiu encerrar a sua doce vingança.

2 comentários em “O marajá que colocou seis carros Rolls-Royce na coleta de lixo

  • 23 de novembro de 2014 em 17:23
    Permalink

    Tinha que ser feito no Brasil pois há lojas aqui que são tão ou mais esnobes com os clientes do que a Rolls Royce.

    Resposta
    • 23 de novembro de 2014 em 19:05
      Permalink

      Eu próprio, Fernando, fui esnobado numa famosa boutique de luxo em São Paulo (estava vestido largadão, tipo carioca de Ipanema), que era cliente por atacado dos nossos produtos, e as atendentes não tinham conhecimento disso. Quando perguntei o preço de um dos ítens, uma delas me olhou de cima em baixo e, com desdém, respondeu antes de virar as costas: “Muito caro!”

      Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: