Novo achado confirma fim do mundo em 2012 pelo calendário maia

Relógio Maia do Apocalipse

OUTRA TIJOLADA PROFÉTICA

A Cachaça da Happy Hour

Esta notícia é pra tocar fogo nas especulações e deixar os mais crédulos tremendo feito vara verde:

Arqueólogos mexicanos descobriram uma segunda referência ao temido “fim do mundo”, que teria sido previsto pelos maias e que ocorreria em breve, já no final de 2012.

Até agora, os especialistas admitiam que havia apenas um achado mostrando o fim do calendário do povo antigo. Só que uma outra profecia ficou escondida por muito tempo.

Em um comunicado, o Instituto Nacional de Arqueologia do México anuncia um debate sobre o assunto e admite existir uma segunda referência ao fim do calendário, um tijolo descoberto no templo de Comalcalco.

O achado, afirma Arturo Mendez, representante do instituto, foi descoberto há alguns anos e foi submetido a um estudo completo, mas está guardado e não é exibido ao público.

Contudo, entre os cientistas, há dúvida se o objeto realmente tem relação com o “fim do mundo” maia.

“Alguns propuseram que é outra referência a 2012, mas eu não estou nem um pouco convencido”, diz David Stuart, especialista em epigrafia maia da Universidade do Texas.

A data no texto descoberto bateria com o fim do 13º Baktun – ciclo maia que se encerraria em 21 de dezembro de 2012. Contudo, Stuart diz que pode corresponder apenas a alguma data similar no passado.

“Não há razão para não achar que possa também ser uma data antiga, descrevendo algum evento histórico importante no período Clássico. Na verdade, o terceiro glifo no tijolo aparentemente deve ser lido como o verbo ‘huli’, ‘ele/ela chega'”, diz o pesquisador.

“Não há verbo no futuro (ao contrário da inscrição de Tortuguero – a primeira descoberta), o que, do meu ponto de vista, coloca a data de Comalcalco mais como uma referência histórica do que profética”, afirma o cientista.

Ambas as inscrições – Tortuguero e o tijolo de Comalcalco – teriam sido criadas aproximadamente há 1.300 anos.

A primeira descreve algo relacionado ao deus Bolon Yokte (associado à guerra e à criação) em 2012, mas erosão e um rachado na pedra impedem a leitura do final da passagem, mas alguns cientistas acreditam que diga “ele irá descer dos céus”.

Já no texto de Comalcalco os símbolos estariam invertidos ou cobertos com estuque, o que indicaria – por quem o escreveu – que eles não devem ser vistos.

O instituto mexicano afirma que a ideia de fim do mundo em 2012 é apenas uma interpretação mal feita do calendário maia.

Segundo os arqueólogos, o tempo para o povo antigo era divido em longos ciclos e o texto de Tortuguero apenas indica o fim de uma era e o começo de outra.

No Terra (com fotos do templo Comalcalco)

* * *

Blog da Nívia de Oliveira Castro

Deixe um comentário simpático neste artigo: