Jeep Engesa – um off-road 4×4 que fez história

Jeep Engesa - pintura camuflagem

Do HotGaragem Blog — colaboração de Nívia de Oliveira Castro

O Jeep Engesa 4, carinhosamente chamado de “sapão”, é um dos ícones da indústria automobilística nacional. Durou pouco, mas o suficiente para figurar entre os melhores 4×4 já produzidos no Brasil. Veja as imagens desse raro “espécime”, com pintura de camuflagem, em perfeito estado de conservação.

Você está diante de uma das maravilhas da indústria automobilística nacional. Chega a provocar arrepios topar com uma preciosidade dessas no meio da rua, em encontros de jipeiros ou exposições de carros antigos — ainda por cima em tal estado de conservação. É muito jipe!

O Engesa 4 — ou EE-12 na versão militar — foi criado pela Engesa, empresa paulistana que atuava na fabricação de materiais bélicos e que se consagrou como principal fornecedora de carros de combate para o exército brasileiro.

Sua mecânica foi toda desenvolvida no Brasil, com exceção do motor, que foi emprestado, advinhe, do Opala quatro cilindros. A carroceria era de aço estampado, com capota de lona e suas suspensões tinham curso extraordinário. Aliados a uma estrutura rígida, contribuíam para torná-lo um veículo versátil no uso fora-da-estrada, capaz de transpor os maiores desafios.

O “sapão”, como alguns o chamavam por causa de seu formato quadrado com faróis redondos, era uma máquina que encarava bem os terrenos enlameados, repletos de pedras ou com água até a altura das portas.

Fabricado nos anos 80, o jipe Engesa teve sua produção interrompida com a falência da empresa no início da década passada. Mas entrou para a história como um dos melhores 4×4 já produzidos no Brasil.

Bem, é melhor encurtar a conversa e dar um passeio em torno desse bichão camuflado. Clique nas imagens para curtir os detalhes ampliados.

Jeep Engesa - pintura camuflada

Jipe Engesa

Jipe Engesa - restaurado

Jeep Engesa - Frente

As cinco imagens foram tomadas emprestadas da excelente galeria de Jeeps do Mateus, no Flickr. Indo até lá você poderá conferir essas e outras fotos em ampliações gigantescas. Vale a pena!

* * *

Blog Hot Garagem

8 comentários em “Jeep Engesa – um off-road 4×4 que fez história

  • 6 de agosto de 2011 em 00:39
    Permalink

    Prezados
    Necessito saber quanto custava, em dezembro de 1997 o Jipe Engesa 4×4 a gasolina de ano fab./mod.1985/1986.

    Grato

    clovis

    Resposta
  • 18 de julho de 2010 em 19:28
    Permalink

    O Marruá é tudo de bom mas só tem um problema: o preço, salgadaço! Não sai por menos de 100 pila, standard. Não é brinquedo pra qq um não, malandro.

    Resposta
  • 18 de julho de 2010 em 16:03
    Permalink

    Olha que barato, Nivea (e aceite isto como contribuição deste modesto leitor e aficcionado do blogue). Com o jipe Agrale Marruá dá para brincar legal nas customizações. Também é um catiço de responsa:

    http://www.defesanet.com.br/01_lz/laad2009/090407_agrale.htm

    Ou seja, nem tudo foi perdido. Ele deu continuidade ao que sobrou da Engesa. E não perdeu nem um cadinho no estilo. Merece umas postagens tambem. É só catar por ele na Net, blz? Abs.

    Resposta
  • 18 de julho de 2010 em 11:55
    Permalink

    Um willys cj na cor areia c/ uma camufla dessas e capotinha nesse tom combinante tb fica show. E é mixaria p/ trocar a cor nos documentos. Só o tanto que agrega de valor compensa disparado. Bem legal a idéia. Vlws!

    Resposta
  • 18 de julho de 2010 em 09:26
    Permalink

    e ainda tem gente (muito “sem noçao” mesmo) que “se acha” desfilando nesses carros novos de plastico preto ou prata. tudo beeeeeem pasteurizadinho… caranga pra marcar presença tem que ser tipo essa aeh. chegou, humilha logo geral, dah um baita cala-boca na galera.

    Resposta
  • 18 de julho de 2010 em 00:31
    Permalink

    UAU!!! Um esculacho!!!
    Quanto deve custar essa joia? Por baixo… uns sessentinha?
    Deve ser por aí, por enquanto.
    Cada ano que passar mais caro ficará.
    Muito bom, Nívia. Mostra mais, mostra mais…

    Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: