Internauta clica mais em manchetes negativas do que nas positivas

Perfil da audiência

FÍGADO VERSUS CÉREBRO NA LUTA PELA AUDIÊNCIA

Um blogueiro iniciante cujo único objetivo seja alcançar o sucesso fácil e rápido na rede deve colocar em prática uma regrinha básica (que sempre evitamos fazer aqui): falar mal de tudo e de todos.

É que as manchetes de assuntos negativos atraem mais a atenção dos leitores do que as que contêm termos positivos ou neutros. Repare na escalada (abertura) de telejornais ou impressos nas bancas.

Na internet não é nada diferente da técnica utilizada pelos meios convencionais de comunicação para fisgar os reclamões e aumentar a audiência, segundo um estudo realizado pelo site Outbrain.

A prova de que o leitor ou espectador é movido mais pelo fel do fígado do que pela serotonina cerebral aparece nitidamente nas matérias cujos títulos contenham termos como “nunca”, “pior” ou “má”.

Manchetes com tais características negativas chegam a atrair 30% mais cliques do que as chamadas neutras ou 63% acima das positivas, que mostrem palavras como “sempre” e “melhor” nos títulos.

Isto é explorado até as últimas consequências pelos veículos: o consumidor de notícias se deixa levar mais pelas emoções do que pela razão, apostando que, por natureza, as pessoas sejam negativas.

E eles sabem bem o que fazem. “Quando foi que você chamou o gerente de um restaurante para elogiar o garçom em vez de reclamar? Resposta: você não chamou”, resume Alex Bennett, no Outbrain.

Cliques em notícias negativas

Com Monitor da Imprensa

Deixe um comentário simpático neste artigo: