Governo dos EUA transformou Google e Facebook em espiões

GOOGLE CONFESSA: O GMAIL É ESPIONADO

Espionagem Google e Facebook

Nos EUA existe uma anomalia jurídica de exceção chamada Tribunal de Vigilância de Inteligência Estrangeira. A FISA Court tem poder para obrigar as empresas norte-americanas a participar de tudo quanto é tipo de atos de espionagem.

Em caso de recusa, as companhias podem sofrer multas diárias e até ver seus executivos sendo enfiados à força naquelas SUVs pretas, com agentes mal-encarados, para ir direto a um cárcere secreto por “desobediência civil”.

Como o Google, o Facebook e o Twitter são empresas dos EUA, ninguém é ingênuo de duvidar das informações do ex-espião da CIA, Edward Snowden, de que esses gigantes tecnológicos são plenamente colaboracionistas.

Nos últimos anos a questão da privacidade tem sido um assunto recorrente, que tem abalado muitos serviços online.

A segurança informática é baseada em pessoas e as pessoas cometem erros… logo, a segurança perfeita é um mito.

Segundo se comenta, “o computador mais seguro do mundo teria de estar num cofre, desligado, no fundo do oceano… guardado por tubarões, exércitos e porta-aviões”…

E mesmo assim seria possível convencer alguém que estivesse de guarda para ir ligar o aparelho. Isto revela um pouco daquilo que todo mundo sabe… mas que poucos acreditam.

Depois de várias denúncias ao serviço de e-mail do Google, a empresa veio agora reconhecer oficialmente que o Gmail não garante privacidade. Estará em xeque o maior e mais popular serviço e-mail do mundo?

DESCULPAS ESFARRAPADAS

“O Google abre, lê e copia ilegalmente o conteúdo privado dos correios eletrônicos das pessoas“, foi a denúncia apresentada publicamente por um usuário.

Em resposta, a gigante de buscas admitiu, num texto com cerca de 30 páginas, que ninguém pode “ter a expectativa legítima de privacidade sobre a informação que voluntariamente passa por e-mail para terceiros no curso da entrega”…

Isto quer dizer que o Google acessa, sim, os dados privados dos utilizadores sem que estes saibam e/ou tenham dado diretamente alguma autorização para tal.

A empresa alega, no entanto, que nenhuma mensagem é lida por humanos porque os robôs, com o recurso de algoritmos inteligentes, fazem um scan do conteúdo dos e-mails apenas para oferecer “publicidade direcionada”.

O Google alega que isso está bem definido nos termos de privacidade e uso do Gmail e que as leis federais sobre escutas, isentam de qualquer responsabilidade as empresas dedicadas a comunicações eletrônicas se os usuários aceitarem que as suas mensagens sejam interceptadas.

Enfurecida, a organização Consumer Watchdog afirmou que o Google “admitiu finalmente que não respeita a privacidade” e exortou todos aqueles que pretendem manter as suas comunicações minimamente privadas a não utilizar mais o serviço Gmail.

Deixe um comentário simpático neste artigo: