Eternamente jovem com ‘apenas’ 154 litros de cerveja… por dia!

Cerveja - Fonte da Juventude

O ‘BARATO’ DA VELHICE

A Cachaça da Happy Hour

A loura gelada pode até deixar as pernas momentaneamente bambas, mas parece que a cerveja teria o poder de nos manter mais fortes.

Isto de acordo com novos estudos da Universidade de Tokushima, Japão, sobre os efeitos da bebida sobre o organismo humano.

Os cientistas encontraram um ingrediente no lúpulo que consegue impedir que a musculatura se deteriore com o passar dos anos.

A substância é um flavonoide chamado de 8-prenylnarigenin (8-PN), um componente poderoso que consegue deter a atrofia muscular.

Quando ratos receberam ração contendo o flavonoide do lúpulo, em testes laboratoriais, seus músculos foram beneficiados.

Roedores que não receberam a substância tiveram uma queda de 10% na quantidade de músculos durante o período do estudo.

Embora possa ser calórica, a cerveja possui alguns benefícios para a saúde. A bebida contém um número grande de antioxidantes e vitaminas que podem ajudar a prevenir doenças cardíacas.

Beer helps you feel young again

Cervejas escuras tendem a ser “mais saudáveis” por possuírem mais ferro do que as variantes claras.

O lúpulo é um tipo de ‘cacho de flor’ que dá o famoso sabor amargo e possui propriedade de estabilização.

Os cientistas planejam usar as descobertas no desenvolvimento de fármacos para ajudar a impedir a deterioração muscular, especialmente em pessoas mais velhas.

Os pesquisadores planejam também formular uma bebida com o flavonoide para ajudar os astronautas na manutenção e preservação do tônus muscular.

Os resultados do estudo são animadores, mas isso não significa que os cientistas estejam estimulando ninguém a encher a cara de cerveja.

O líder do estudo, Junji Terao, disse que uma pessoa teria de tomar 154 litros de cerveja por dia para atingir o efeito que os cientistas conseguiram nos ratos.

Isto, obviamente, significaria a morte de uma pessoa por intoxicação alcoólica muito antes de qualquer benefício.

Em Jornal Ciência

Deixe um comentário simpático neste artigo: