Crise neoliberal provoca mudanças no sistema financeiro

FIM DOS BANCOS CENTRAIS INDEPENDENTES

Crise Capitalista

O Chefe de Redação

Os países desenvolvidos são velhos defensores do “faça o que digo, não faça o que eu faço”.

Um artigo de fé da ortodoxia neoliberal, eixo do Consenso de Washington, era o lugar que ocupava o conceito de Banco Central em meio a um sistema financeiro e econômico desregulado.

Neste marco, a independência ou autonomia do banco central era sagrada, como uma vaca indiana.

A política monetária de um país, rezava a cartilha conservadora, devia estar nas mãos de técnicos especializados e livres da influência dos governos de turno, sempre sujeitos à demagogia e à lógica do curto prazo.

E o eixo central – muitas vezes exclusivo – da Carta Orgânica do Banco Central era o combate à inflação.

A crise econômica que estourou em 2007-2008 virou as coisas de pernas para o ar.

Com uma dívida descomunal nos EUA, Japão e países da União Europeia, com injeções de dinheiro eletrônico para sanear o sistema financeiro, os Bancos Centrais do mundo desenvolvido estão adotando um intervencionismo adaptado às necessidades dos governos.

Esta mudança se reflete nos meios onde se discute cada vez mais abertamente a necessidade de esquecer o velho parâmetro e substituí-lo por um diferente adaptado à nova realidade.

Em artigo sugestivamente intitulado “A era dos bancos centrais independentes está chegando ao fim”, o Financial Times – porta-voz dos podres de ricos – diz que “não se pode seguir falando de independência dos bancos porque eles criam ganhadores e perdedores”. Quem diria.

Os países em desenvolvimento deram o sinal de ruptura no consenso que predominava antes do estouro financeiro de 2008.

Os bancos centrais e reguladores financeiros dos chamados “emergentes” assinaram em 2011 no México a declaração de Maya para a inclusão financeira dos setores excluídos da sociedade.

O Brasil se encontrava entre os países que anunciaram iniciativas concretas para expandir o acesso ao crédito a amplas parcelas da população.

A mudança de paradigma dos Bancos Centrais na América Latina foi chamada de populista e demagógica por políticos, funcionários e colunistas da velha mídia do primeiro mundo – e repetida por seus papagaios tupiniquins, como Carlos Alberto Sardenberg e Miriam Leitão, entre outros.

Curiosamente, hoje, quando no mundo desenvolvido se sugere ou se pratica abertamente uma mudança de modelo, ninguém se lembra mais do epíteto.

Completo na Carta Maior

Deixe um comentário interessante neste artigo: