Computadores mais inteligentes que o cérebro humano

VERDADEIRA MATRIX CADA VEZ MAIS PERTO

Casal de ciborgues

Do blog ECOnsciência

Prepare-se para perder o protagonismo na História: os chips deverão ultrapassar a nossa inteligência até a metade do século. É quando toparemos com o que os cientistas chamam de “singularidade tecnológica”.

Na física, “singularidade” é o que acontece no interior de um buraco negro. Um buraco negro se forma quando uma estrela implode e começa a ser destruída pela própria gravidade.

Chega uma hora em que não sobra mais estrela. Só gravidade. Na verdade, um pontinho no espaço onde a gravidade tende ao infinito. Esse pontinho é o que os físicos chamam de “singularidade”.

Com o passar do tempo, a tal singularidade vai sugando tudo o que tem à sua volta. A massa e a energia dos objetos que ela engole deixam o buraco negro “mais forte”.

O poder de sucção dele aumenta e ele engole mais coisas, fica mais forte… Em suma: o crescimento do buraco negro acontece numa espiral infinita.

Com a “singularidade tecnológica” seria a mesma coisa. Uma máquina, mais inteligente que a humanidade, criaria ela mesma máquinas ainda mais sofisticadas, sem precisar de programadores humanos.

A inteligência artificial cresceria por conta própria, igual ao poder de sucção dos buracos negros. Esse processo tenderia ao infinito, com máquinas dando à luz máquinas incríveis.

E estas, a seguir, criariam máquinas ainda mais fantásticas. E nós? Ora, ficaríamos só assistindo de camarote.

Um computador, então, vai escrever o melhor romance de todos os tempos em um segundo, resolver o maior mistério da ciência em um décimo de segundo e descobrir o sentido da vida e do universo num milésimo.

Creia, em muito menos tempo do que você leva para terminar de ler este único parágrafo.

Sem dúvida, muitos de nós ainda estarão vivos quando esta data chegar. O problema é saber como será o dia seguinte…

A maior certeza é que poderemos dizer, agora como coadjuvantes: Bem-vindos à verdadeira Matrix!

Completo em Ubuntued

Deixe um comentário interessante neste artigo: