Comprar produtos pela Internet sofre influência das redes sociais

Fazer compras pela Internet

MODIFICAÇÃO DOS HÁBITOS DE CONSUMO

O Chefe de Redação

O hábito de compras do brasileiro vem sendo progressivamente modificado pela rápida expansão das redes sociais e desenvolvimento das mídias eletrônicas.

Pesquisa da Ibope Media realizada com internautas aponta que 41% dos usuários da web conversam com muitas pessoas antes de finalizar a compra de um produto.

A pesquisa também detectou que 33% dos internautas acreditam que podem convencer alguém com suas opiniões, enquanto 51% se sentem seguros para fornecer informações se forem consultados.

O poder de influência é maior em relações mais próximas, como entre familiares e amigos, indica a pesquisa. Em segundo lugar, aparecem experiências individuais anteriores e, em terceiro, a mídia.

“A internet atua no processo de decisão como facilitador da interação e provedor de informação”, diz Juliana Sawaia, gerente de learning e insights do Ibope Media.

Comprar pela Internet

CRESCIMENTO DO ACESSO À WEB

No Brasil, o número de pessoas com acesso à internet em casa chegou a 67,8 milhões em setembro, segundo o IBOPE Nielsen Online. Desse total, 42,1 milhões foram usuários ativos, número que representa um aumento de 1,4% na comparação com o mês anterior e uma alta de 11% em relação a setembro de 2011.

No primeiro trimestre do ano, considerando-se todos os ambientes de acesso (domicílios, trabalho, escolas, lan houses e outros locais), 83,4 milhões de pessoas tiveram acesso à internet.

“O consumo de internet no Brasil vem aumentando principalmente nas residências”, reforça o analista José Calazans, do IBOPE Nielsen Online.

Segundo o especialista, a evolução da internet domiciliar no país pode ser dividida em três fases. A primeira, que durou até o fim de 2003, foi caracterizada pela concentração do uso da internet por pessoas com maior renda.

Em 2004, apesar do acesso à web ainda continuar restrito às classes A e B, teve início uma onda de aumento dos usuários da rede, que chegaram a cerca de dez milhões naquele ano.

A popularização das redes sociais entre os brasileiros pode, de fato, ser apontada como um catalisador do crescimento da internet nessa segunda fase de evolução da rede. No período, atraídos pelas novas redes sociais, muitas pessoas passaram a frequentar lan houses, o que contribuiu para popularização do hábito de navegar na web.

Já em 2007, com o aumento da renda da população, esse grupo de brasileiros, que antes frequentava lan houses, passou a adquirir computadores, dando origem à terceira fase da disseminação da rede entre os brasileiros.

Agora, “uma quarta fase pode estar começando, com o uso da internet e das redes sociais por meio de tablets e smartphones”, aponta Calazans.

Com informações do Ibope e FSP

Deixe um comentário simpático neste artigo: