Com nosso dinheiro milionários ficam mais ricos em Davos

Abduzido por OVNI

PAREM O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!

Do blog ECOnsciência

Esta semana acontece o tradicional Fórum Econômico Mundial de Davos, na neve da Suíça, reunindo empresários, banqueiros e outros donos de altos tesouros. Objetivo prioritário desses senhores e senhoras: como manobrar o nosso dinheiro, de modo a multiplicá-lo tanto quanto as estrelas do céu e as areias das praias e do mar…

AS PRIORIDADES DOS DONOS DO MUNDO

Por Frei Betto *

Parem o mundo que eu quero descer! Os donos do planeta enlouqueceram ou não entendo bem o que propõem?

De 22 a 27 de janeiro, o Fórum Econômico Mundial de Davos, na bucólica Suíça, reunirá empresários, banqueiros e outros donos do dinheiro que parecem não dar a mínima para a crise econômica na Europa – com 18 milhões de desempregados.

É compreensível, hoje recursos públicos salvam bancos privados!

Os donos do mundo centram suas atenções no que qualificam de Fatores X – questões que os respeitáveis senhores e senhoras consideram prioritárias e que, se não forem encaradas com seriedade, podem desestabilizar a atual “ordem” mundial.

O relatório anual sobre os riscos globais, publicado duas semanas antes do encontro de Davos, teve colaboração da revista científica Nature na análise dos Fatores X. Vamos a eles.

ETs estudam comportamento humano

O primeiro, a possível descoberta de que há vida inteligente fora desse nosso planetinha desgraçadamente afetado pelas ambições do capital.

Com o ritmo da exploração do espaço nas últimas décadas – diz o documento preparatório de Davos –, é possível considerar que a humanidade pode descobrir vida em outros planetas.

A maior preocupação seria sobre os efeitos nos investimentos em ciência, e a própria imagem do ser humano.

Supondo que seja encontrado um novo lar em potencial para a humanidade ou a existência de vida em nosso sistema solar, a pesquisa científica teria que deslocar grandes investimentos para a robótica e missões espaciais.

Além disso, as implicações filosóficas e psicológicas da descoberta de vida extraterrestre seriam profundas, desafiando crenças das religiões e da filosofia humana.

Por meio de educação e campanhas de alerta, o público poderia se preparar melhor para as consequências desse processo, sugere o fórum.

No início de 2013, dados coletados pelo observatório espacial Kepler, monitorado pela Nasa, indicam que só a nossa galáxia, a Via Láctea – com pelo menos 100 bilhões de estrelas ou sóis –, teria 17 bilhões de planetas rochosos, com tamanho entre 0,8 a 1,2 o da Terra.

Pode ser que um ou mais estejam orbitando suas estrelas à distância adequada para o surgimento de vida.

Atrás dessa retórica “humanista” se esconde o projeto de loteamento do Cosmo. Haja fome de lucros!

Eu, que sou crédulo, acredito em vida extraterrestre. Creio mesmo que nossos vizinhos já se aproximaram, mas ao captar nossas emissões televisivas concluíram que na Terra não há vida inteligente.

Cérebro vazio no Big Brother

O segundo Fator X é o avanço cognitivo do cérebro humano pelo uso de estimulantes.

Segundo o documento de Davos, há o temor de que no futuro as pessoas abusem da tecnociência, que permite turbinar o desempenho no trabalho e nos estudos.

A química fará de nós robôs ultraeficientes.

O esforço dos cientistas para tratar doenças como Alzheimer ou esquizofrenia leva a crer que, no futuro não muito distante, pesquisadores identificarão substâncias que permitam melhorar os estimulantes de hoje, como a Ritalina.

Apesar de prescritos a pessoas com doenças neurológicas, esses remédios seriam usados no dia a dia.

O avanço poderia também vir de hardwares, diz o relatório. Estudos mostram que a estimulação elétrica pode favorecer a memória.

Diante disso, seria ético aceitar o mundo dividido entre os que tiveram oportunidade de ter a parte cognitiva reforçada e os que não tiveram? – indaga o documento.

Haveria, ainda, o risco de esse avanço dar errado.

Fórum Econômico de Davos

O terceiro Fator X, o uso descontrolado de tecnologias para conter as mudanças climáticas, que acabariam afetando ainda mais o equilíbrio ecológico.

Apesar de conhecidas as ameaças de mudanças climáticas, o relatório também indaga se já passamos de um ponto dramático de não retorno.

Dados indicam que nosso planeta já perdeu ao menos 30% de sua capacidade de autorregeneração.

O quarto, os custos dos seres humanos viverem muito mais tempo, após a idade laboral.

Os países não têm se preparado para os altos custos que a velhice, hoje qualificada de terceira idade, implica, e com a massa de pessoas que sofrerão de doenças como artrite e demências.

A medicina do século XX avançou muito nas descobertas relativas às doenças genéticas, decifrando o genoma humano. São esperados ainda mais avanços no tratamento de doenças do coração e do câncer.

O documento preocupa-se com o impacto na sociedade de uma camada da população que conseguirá prever e, portanto, evitar as causas mais comuns de morte hoje, mas com deterioração da qualidade de vida.

Velhos longevos, ociosos e dependentes. Mais pesquisas seriam necessárias para encontrar soluções para essas condições, hoje consideradas crônicas.

Por trás de tudo isso, um objetivo prioritário desses senhores e senhoras: onde investir nosso dinheiro, de modo a multiplicá-lo tanto quanto as estrelas do céu e as areias das praias e do mar…

Tirinha sobre bebê

No Blog do Miro

Deixe um comentário interessante neste artigo: