Cérebro não envelhece: fica cheio e sem espaço para novas informações

Cabeça cheia de parafusos

COMO UM HD LOTADO

A Cachaça da Happy Hour

Aprender uma novidade vai se tornando gradualmente mais difícil conforme envelhecemos porque o nosso cérebro já está abarrotado demais e não porque perdemos a capacidade de absorver novas informações.

Pesquisadores dos EUA chegaram a esta conclusão depois de avaliar o cérebro de ratinhos de laboratório — manipulados geneticamente para apresentar uma atividade cerebral semelhante à de humanos adultos.

Ao contrário do que era esperado, eles notaram que os animais não perdiam as suas habilidades de realizar conexões sinápticas fortes, que são necessárias para que seja possível aprender algo totalmente novo.

 Placa de rede cerebral transistorizada

Porém, os cientistas observaram que, conforme entravam na idade adulta, os bichos começavam a perder a capacidade de enfraquecer as conexões pré-existentes, dificultando o processo de formar novas memórias de longo prazo.

Os estudiosos compararam esse processo ao de escrever em uma folha de papel em branco e em uma folha de jornal: a diferença não é a cor da caneta, mas o fato de que o jornal já está coberto de informações escritas nele.

Ou seja, não é que o cérebro das pessoas mais velhas não esteja disposto a aprender coisas novas, é que ele se comporta como se fosse um HD que já está cheio de dados e sem espaço para absorver mais coisas na velocidade ideal.

Com The NYT

Deixe um comentário interessante neste artigo: