Caveira entalhada numa concha iridescente de abalone

A MAIS BELA ENTRE AS GEMAS ORGÂNICAS

Caveira entalhada em concha

Ondulações, cavidades, furos e fissuras naturais foram explorados pelo artista para extrair os contornos de uma caveira – ou mais exatamente meio crânio – ocultos numa concha de abalone.

Entalhada e polida, a madrepérola furta-cor, a mais bonita entre as gemas orgânicas da natureza, resultou numa escultura com 16,5 cm de comprimento, por 11 cm de largura e 7,5 cm de altura.

A concha é uma estrutura de carbonato de cálcio comum a várias espécies de moluscos, o mesmo material que forma as pérolas. Sua iridescência provém de camadas microscópicas de cristais de aragonite geminadas hexagonalmente.

Por causa das formas convexas e ovais, as conchas de abalone também são conhecidas por nomes populares, como Ouvidos do Mar ou Orelhas de Vênus.

Símbolo da coesão social, segundo os xamãs apaches, sua energia poderia ser usada no tratamento de problemas ortopédicos, curar ossos quebrados, trazer saúde ao canal espinhal e aos sistemas imunológico e nervoso, entre outros benefícios.

Caveira de cores iridescentes

Arcada dentária furta-cor

Crânio de caveira

Caveira iridescente

Molusco de casco furta-cor

Concha iridescente

Molusco de casca colorida

Clique nas imagens para ampliar e nos links sublinhados do texto para ver e saber mais.

Um comentário em “Caveira entalhada numa concha iridescente de abalone

Deixe um comentário interessante neste artigo: