Até 2016 EUA deixarão de ser a maior potência do planeta

Economia chinesa ultrapassa americana

MURALHA CHINESA NO TOPO DO MUNDO

O Chefe de Redação

Falta pouco. Em apenas quatro anos a China vai finalmente acabar com a supremacia dos EUA, ao assumir o posto de maior economia do planeta.

Assistir, sem condições de reação, será o ingrato destino de Obama até o final do seu segundo mandato.

A crise neoliberal está acelerando o declínio do império mais rápido do que se imaginava, pelo que se depreende das previsões da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico.

Tanto assim, que a expectativa da OCDE é que os países emergentes assumam o topo da economia mundial, superando os países desenvolvidos, no máximo até 2060.

E tem muito mais novidades: ao longo das próximas décadas, o PIB (Produto Interno Bruto) da Índia também deverá ultrapassar o norte-americano.

Em 50 anos os dois gigantes asiáticos juntos, China e Índia, terão melhores índices que as nações que compõem o G7 juntas — França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e EUA.

Queda dos Estados Unidos

A zona do euro e o Japão, por sua vez, vão perder espaço na tabela do PIB mundial para países como a Indonésia e o Brasil.

“A crise econômica que estamos vivendo nos últimos cinco anos será, eventualmente, superada, mas o mundo que nossos filhos e netos herdarão pode ser totalmente diferente do nosso”, explicou Angel Gurría, o secretário-geral da organização sediada em Paris.

“À medida que os países maiores e de crescimento mais rápido assumirem um lugar mais proeminente na economia global, teremos de enfrentar novos desafios para assegurar um mundo próspero e sustentável para todos”, acrescentou.

De acordo com o relatório do grupo, a mudança no equilíbrio de poder vai trazer também melhorias no padrão de vida dos países em desenvolvimento, aproximando-os aos índices sociais das economias mais avançadas.

Estima-se que a renda per capita deverá pelo menos quadruplicar nestes locais até 2060; na China e na Índia, este número pode chegar a se multiplicar por sete vezes.

Com Opera Mundi

Deixe um comentário interessante neste artigo: