Amor de mãe ressuscita bebê prematuro considerado morto

Amor de mãe

O corpo do bebê prematuro Jamie, pesando apenas um quilo, foi entregue pelo obstetra à mãe para segurar, com as palavras: “ele não conseguiu sobreviver, desculpe”. No entanto, Kate Ogg tirou Jamie do cobertor e agarrou-o junto da sua pele, conversou com ele, deu-lhe um pouco de leite do peito … e ele agarrou seu dedo. Estava vivo.

Chama-se “Cuidado tipo Cangurú”, uma mãe abraçando um bebê recém-nascido em contato pele a pele. Tão próximos, a mãe e o bebê formam um vínculo enquanto a criança se acostuma com o cheiro e o gosto da mãe.

Neste caso, porém, em um hospital de Sydney, na Austrália, dois bebês gêmeos, uma menina e um menino, nasceram prematuramente com apenas 27 semanas, pesando dois quilos cada.

Após o parto, os médicos retiraram os bebês e declararam que a garota, Emily, estava muito bem, mas informaram aos pais que, depois de lutar para salvar a sua vida durante vinte minutos, o menino parou de respirar.

Perguntaram a Kate e seu marido David se tinham um nome para o menino, ela disse “Sim, Jamie” e deram-lhe o bebê para segurar.

“Eu desembrulhei Jamie do seu cobertor, ele era muito mole. Tirei o meu vestido e arranjei-o no meu peito com o braço dele no meu peito e eu apenas segurei-o”, disse Kate Ogg. “Nós apenas começamos a conversar com ele, dissemos qual era seu nome, que tinha uma irmã, e lhe disse as coisas que queria fazer com ele durante toda sua vida”.

Os suspiros ocasionais foram descritos pelos médicos como “um reflexo”, mas se tornaram cada vez mais freqüentes. Foi então que Kate decidiu colocar um pouco do seu leite materno em seu dedo e introduzi-lo na boca de Jamie. “Ele tomou e começou a respirar normalmente. Pouco tempo depois, ele abriu os olhos. Ele estendeu a mão e agarrou o meu dedo. Abriu os olhos e moveu a cabeça de um lado para o outro”.

David Ogg disse: “Felizmente, eu tenho uma esposa muito forte, uma mulher muito inteligente. Ela instintivamente fez o que fez. Se não tivesse feito isso, Jamie provavelmente não estaria aqui”.

Esta história traz à tona a questão de quantos bebês foram abandonados depois que os médicos desistiram deles, quando se tivessem sido entregues às suas mães imediatamente após o nascimento, o contato pele a pele poderia ter estimulado suas funções vitais.

Este é, acima de tudo, um poema para os sem esperança.

Via Pravda

2 comentários em “Amor de mãe ressuscita bebê prematuro considerado morto

  • 10 de novembro de 2010 em 18:05
    Permalink

    Fiquei até arrepiada. Minha avó já havia relatado um fato assim, ocorrido quando ela era jovem, nos tempos em que as parteiras faziam atendimento “a domicílio” em lugares onde não havia maternidade. São estes conhecimentos e sabedorias ancestrais que perdemos com a modernidade.

    Resposta
  • 10 de novembro de 2010 em 13:52
    Permalink

    A imagem do casal e do bebê é emocionante, diz tudo sobre o milagre da vida.

    Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: