Água privatizada dá lucro de 53 milhões % para multinacional

A NESTLÉ NADA ‘DE BRAÇADA’ NOS GANHOS

Privatização da água

Se você desse a sorte de desembolsar R$ 7,50 para ganhar quase 4 milhões e meio numa Mega-Sena, por exemplo, na prática isto significaria que a merreca gasta para comprar o bilhete teve um ganho de 53.000.000 por cento.

Este seria o melhor investimento do mundo, impossível de ser igualmente remunerado em qualquer aplicação financeira ou atividade produtiva. Mas não para a Nestlé — que administra diariamente a sua “loteria” particular.

A multinacional paga 3,7 dólares por cada milhão de litros de água mineral que retira de uma única fonte no Canadá e fatura 2 milhões de dólares, alcançando os tais 53 milhões % de lucro.

Se isto já é espantoso, a Nestlé também não precisa se preocupar em recolher o plástico das garrafas para reciclagem e nem respeitar os períodos críticos de seca, mantendo todo o tempo abertas as torneiras que irrigam seus cofres.

Por este motivo, uma comunidade de Ontário trava neste momento uma luta do tipo David versus Golias, contra a gigante alimentar nos tribunais para proteger a sua água privatizada pelas autoridades locais.

A Nestlé Waters é a maior empresa de água engarrafada do mundo e a fonte de Wellington County, no sudoeste de Ontário, é um dos seus maiores postos de engarrafamento no Canadá.

Água privatizada

A Nestlé e a sua política de lucros sobre a água voltou a chamar atenção — mas nunca nos meios de comunicação — depois de seu presidente ter dito que água não deveria ser um direito humano.

A pendenga surgiu porque a atual licença de exploração tem uma cláusula que obriga a Nestlé a reduzir a sua extração em apenas 10 a 20% em tempos de seca.

Decidida a ampliar ainda mais a remuneração dos acionistas, a empresa apelou à Justiça canadense para que essas restrições fossem removidas — sendo que o Ministro do Ambiente aceitou placidamente essas condições.

Em reação, foi constituído um conselho de habitantes que com alguns apoios legais ganhou o direito de representar o interesse público no direito à água.

Esta é uma batalha importantíssima, não apenas para Wellington County, ou Ontário ou Canadá, mas para o mundo em geral, já que a gigante alimentar atua igualmente em 86 países.

Convém salientar também que a Nestlé apoiou o lobby da não-etiquetagem dos produtos com constituintes provenientes de GMO (organismos geneticamente modificados), colocando-se assim sem reservas ao lado da outra potência alimentar, mas do comércio das sementes, a Monsanto.

Deixe um comentário simpático neste artigo: