8 em cada 10 brasileiros são contra novas usinas nucleares

Perigo nuclear no Brasil

PERIGO ATÔMICO

Do blog ECOnsciência

Se depender da vontade de 8 em cada 10 brasileiros, nenhuma nova usina nuclear será construída no País, tanto para a geração de energia elétrica ou seja lá o que mais passe, no futuro, pela cabeça dos governantes de ocasião.

A rejeição coincide com a da opinião pública global em relação ao uso de energia atômica após o acidente com a usina nuclear de Fukushima, no Japão, segundo pesquisa realizada em 23 países pelo instituto GlobeScan.

Na média geral entre os 12 países que já têm usinas nucleares ativas – Brasil incluído –, 69% dos entrevistados rejeitam a construção de novas usinas, enquanto 22% defendem novas estações. No Brasil, 79% dos entrevistados dizem se opor à construção de novas usinas

Esses 79% incluem pessoas que acham que o Brasil deve usar as usinas nucleares que já tem, mas não construir estações novas (44%), e pessoas que acham que, como a energia atômica é perigosa, todas as usinas nucleares operantes devem ser fechadas o mais rápido possível.

Apenas 16% dos entrevistados brasileiros acham que a energia nuclear é relativamente segura e uma importante fonte de eletricidade e que, portanto, novas usinas devem ser construídas.

A pesquisa indica que após o acidente de Fukushima, em março, aumentou a oposição à energia nuclear, tanto em países que a promovem ativamente, como Rússia e França, como em países que ainda planejam a construção de usinas.

Em comparação com resultados de 2005, o levantamento “sugere que houve um elevado aumento na oposição à energia nuclear” em parte dos países, enquanto cresce a defesa da economia de energia e o uso de fontes renováveis em vez da energia nuclear.

REJEIÇÃO E APOIO

As maiores rejeições à ampliação do uso da energia atômica são observadas na França, no Japão, no Brasil, na Alemanha, no México e na Rússia.

Em contrapartida, em países como China, Estados Unidos e Grã-Bretanha, ainda é representativa a quantidade de pessoas que consideram a energia nuclear segura – 42%, 39% e 37%, respectivamente.

“A falta de impacto que o desastre nuclear de Fukushima teve na opinião pública nos EUA e na Grã-Bretanha é digna de nota e contrasta com a crescente oposição às usinas nucleares novas na maioria dos países que acompanhamos desde 2005”, declarou o presidente da empresa de pesquisas GlobeScan, Doug Miller.

O maior impacto foi observado na Alemanha, onde a nova política do governo (de Angela) Merkel, de fechar todas as estações de energia nuclear, é apoiada por 52% dos entrevistados.

A visão alemã reflete a opinião pública do resto da Europa, continente em que a maioria dos países pesquisados tem uma visão negativa com relação ao uso de energia atômica para gerar eletricidade.

O levantamento ouviu 23,2 mil pessoas em 23 países (12 deles já operando usinas nucleares), entre junho e setembro. A margem de erro é de 3,1 a 4,4 pontos percentuais.

Este foi o primeiro ano em que o Brasil participou da pesquisa.

Via BBC

* * *

Blog ECOnsciência Inovadora


Deixe um comentário interessante neste artigo: