Por que o brasileiro aceita ser devorado, passivamente, em silêncio?

A REFLEXÃO DE LUIS FERNANDO VERÍSSIMO

E se os brasileiros protestassem contra o que lhes fazem, se fizessem discursos indignados em todas as filas de matadouros?

E cobrassem com veemência a participação no que produzem para enriquecer os outros, reagindo às mentiras que lhes dizem.

Ler mais

Monstros arquetípicos que assombram em tempos cinzentos

UMA ANÁLISE POLÍTICA DE LUIS F. VERÍSSIMO

Nuvens negras de um vulcão pairam sobre as novas tecnologias que, em vez de aproximar as pessoas, as dividem e embrutecem.

Sob a sombra dessas emanações surgem monstros arquetípicos como os que ficaram como símbolos literários do tempo cinzento.

Ler mais

Sonhos com cinema em crônica de Luis Fernando Veríssimo

SONHO É COMO UM FILME NA TELA MENTAL

Sonhar é como ir ao cinema.

Seus olhos se fechando são como as luzes do cinema se apagando, e seu sonho é como um filme projetado na tela. Só que…

Ler mais

Momentos ‘aaah’ da vida – crônica de Luis Fernando Verissimo

DO BLOG BANANAPOST
Todos temos momentos de êxtase, de arrebatamento, de profunda satisfação pessoal.

Mas também curtimos pequenos prazeres passageiros, que Luis Fernando Verissimo chama de “momentos aaah” da vida.

Ler mais

O que se passa na cabeça de homens, esses galos de cocoricó

DO BLOG BANANAPOST
Dizem que quando um cara tá a fim… sempre arruma um jeito.

O que, a propósito, lembra uma antiga crônica de Luis Fernando Veríssimo, intitulada ‘A Grande Mulher do Lineu’, onde os homens ‘galinha’ podem se dar mal, muito mal.

Ler mais