Você ainda vai esfregar o celular para carregar a bateria

Cabelos arrepiados

ARREPIANDO O GADGET

Do blog ECOnsciência

Durante muitos anos a eletricidade estática serviu mais para animar alguns apertos de mão seguidos de um pequeno choque ou para levantar de forma hilariante os cabelos das pessoas.

Pois bem, agora os cientistas encontraram um jeito de usar a eletricidade criada pela fricção em algo bem mais importante do que criar algumas cenas cômicas.

Pesquisadores da Universidade de Georgia Tech desenvolveram nanogerador que converte 10% a 15% da potência aplicada nos movimentos mecânicos em energia que pode ser consumida por qualquer celular ou leitor de MP3.

Mais do que isto, o nanogerador converte a eletricidade estática em energia capaz de ser armazenada nas baterias de diferentes gadgets.

A solução criada pelos investigadores norte-americanos tem por base um composto desenvolvido em escala nanométrica que combina tereftalato de polietileno e metais.

Estes materiais são usados para criar películas, que tiram partido do chamado efeito triboelétrico e ficam “carregadas” de eletricidade estática ao serem friccionadas uma na outra.

Eletricidade estática para carregar celulares

Estas mesmas películas “descarregam” a energia sempre que são dobradas – o que pode ser especialmente útil para encaminhar a eletricidade para uma bateria.

Os responsáveis pelo projeto acreditam que, em futuro próximo, o nanogerador poderá alcançar uma taxa de aproveitamento 40% da energia aplicada num movimento mecânico.

São promissoras as estimativas quanto às aplicações que esta tecnologia pode ter: com películas da dimensão da ponta de um dedo é possível chegar a potências de oito miliwatts, que já serão suficientes para alimentar um marcapasso cardíaco.

Mas se esse mesmo nanogerador tiver películas com cinco centímetros quadrados já será possível produzir a energia para carregar uma bateria de íons de lítio de um smartphone.

Ou, numa alternativa mais chegada com o período de Natal, acender 600 lâmpadas LED de uma só vez.

Com InforSalvador

Deixe um comentário interessante neste artigo: