Vitória de Haddad sobre Serra em São Paulo, mostra pesquisa Datafolha

Vitória de Fernando Haddad em SP

DERROTA DE JOSÉ SERRA

O Chefe de Redação

Fernando Haddad, candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, deve vencer com ampla margem de votos José Serra, do PSDB, na eleição neste domingo, 28.

É o que confirma pesquisa Datafolha concluída hoje, véspera da votação, com o petista 16 pontos à frente, com 58% dos votos válidos, ante 42% do tucano.

No cálculo dos votos válidos são excluídas as respostas de quem diz que votará em branco, nulos e eleitores indecisos. Esta é a forma que a Justiça Eleitoral divulga o resultado final da eleição.

A pesquisa, à véspera da eleição, mostra uma pequena variação dentro da margem de erro em relação ao levantamento anterior, divulgado na última quarta-feira — Haddad tinha 60% dos votos válidos e Serra aparecia com 40%.

Derrota de José Serra em São Paulo

No total de votos –considerando brancos, nulos e indecisos–, Haddad tem 48% e Serra tem 34%. Os brancos ou nulos somam 11% e 7% ainda não decidiram em quem vão votar amanhã.

No primeiro turno, Serra terminou à frente com 30,75% dos votos válidos. Haddad seguiu ao segundo turno após obter 28,98% dos votos.

O levantamento realizado ontem e hoje pelo Datafolha ouviu 3.992 eleitores e foi feito em parceria com a TV Globo. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral com o número SP-01928 / 2012.

FSP

Um comentário em “Vitória de Haddad sobre Serra em São Paulo, mostra pesquisa Datafolha

  • 28 de outubro de 2012 em 08:55
    Permalink

    Essa é muito boa!!!

    Na web, vazou a notícia de que hoje, na hora de votar, Dirceu iria declarar-se “prisioneiro político de um julgamento de exceção”, como um jornaleco noticiou.

    Não é nada disso.

    O que ele e seu advogado ainda não decidiram são os termos dos embargos infringentes que apesentarão ao Supremo Tribunal de Exceção.

    Uma coisa porém é certa, caso os atuais ocupantes do tribunal insistam na farsa de “compra de votos”, o ex-ministro exigirá que os ministros indicados pelo presidente Lula, quando ele era chefe da Casa-Civil, renunciem ao mandato no STF, visto que as aprovações do Senado às suas próprias nomeações, segundo eles mesmo afirmaram peremptoriamente, sofrem de vício de origem, pois foram “compradas”.

    Tem mais: não será seu advogado que fará isto.
    Será ele mesmo, Dirceu, como advogado de outro réu.

    O que farão os ministros cuja sabatina e aprovação pelo Senado, antes de serem nomeados, teria sido “comprada” ?
    Será que suas suspeitas, sem prova, são seletivas e valem apenas para Dirceu e Genoíno mas não valem para eles mesmos, quando seu interesse pessoal nesses cargos está em jogo?

    Será que desta vez, nossos ministros do STF ficarão caladinhos, recebendo seus polpudos salários, mordomias e ainda os pagamentos por fora que Gilmar Mendes, operador do “mensalão tucano” no STF, dá a eles a título de “pagamento por serviços prestados” ao seu Instituto de Brasiliense de Direito Publico, num flagrante desrespeito ao princípio da impessoalidade e da autonomia do STF de particulares?

    E o apartamento de Marco Aurélio Mello comprou na Barra, alguns dias após soltar Salvatore Cacciola cujo condominio hoje é de R$ 8.000,00 por mês, no qual morava o próprio Cacciola antes de fugir para a Italia, três dias após ser solto pelo primo de Collor?

    E o Joaquim Barbosa, renunciará ao cargo?

    Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: