Vírus pode abrir portas das penitenciárias e soltar os prisioneiros

Filme Hannibal - Anthony Hopkins

DEBANDADA GERAL

O pior dos pesadelos estaria para se tornar realidade caso todos os psicopatas enjaulados nas prisões dos EUA escapulissem de uma só vez, numa espetacular fuga em massa, passando pela porta da frente das penitenciárias de segurança máxima.

Para tanto bastaria que algum maluco ou cúmplice dos prisioneiros explorasse as falhas do sistema eletrônico que controla as portas das cadeias norte-americanas utilizando o código malicioso Stuxnet que, em 2010, foi usado para sabotar a indústria nuclear do Irã.

Na origem das vulnerabilidades, está o uso de controladores lógicos industriais (PLC), que podem ser alvo de ataques de cibercriminosos, segundo alerta de um especialista em segurança na rede.

Em declarações reproduzidas pela Wired, John Strauchs admite que as autoridades vão ter de precaver-se caso queiram evitar males maiores: “A maioria das pessoas não sabe como é que uma prisão é desenhada, e é por isso que nunca ninguém prestou atenção a isto”.

Strauchs, que já trabalhou com sistemas eletrônicos de mais de 100 prisões dos EUA, garante que dois modelos de controladores lógicos da Siemens estão vulneráveis a códigos maliciosos criados com o objetivo de provocar o mau funcionamento de vários dispositivos que operam num determinado recinto.

A maioria das grandes prisões dos EUA já recorre a controladores lógicos para abrir e fechar portas ou gerir automaticamente outros dispositivos eletrônicos (ares condicionados, sensores, iluminação). Só que apenas uma parte destes controladores terá sido fornecida pela Siemens.

O que não impediu Strauchs de desenvolver, juntamente com um colega, um protótipo experimental que permite explorar as vulnerabilidades dos PLC da Siemens.

De acordo com os investigadores basta o equivalente a pouco mais de 6 mil reais para comprar as ferramentas necessárias e desenvolver, em apenas três horas, o programa que permite tirar partido das falhas de segurança dos PLC.

Por falar nisso, alguém sabe como funcionam os ferrolhos das portas das penitenciárias aqui no Brasil?

* Com a ajuda providencial do InforSalvador

Deixe um comentário simpático neste artigo: