Vacina bloqueia efeitos da metanfetamina no cérebro de viciados

Drogas - Meta Anfetaminas

ESPERANÇA CONTRA DROGA DEVASTADORA

A Cachaça da Happy Hour

Uma vacina para bloquear os efeitos da metanfetamina no cérebro de viciados foi descoberta pelos cientistas do Instituto de Pesquisa Scripps, na Califórnia.

Testes em ratos demonstraram que a vacina impede que eles sejam afetados pela droga, que é consumida por 25 milhões de pessoas no mundo todo.

Caso ela funcione bem com humanos, como se espera, será a primeira vacina específica para o vício em metanfetamina, segundo informações do jornal Biological Psychiatry.

O professor Michael Taffe, do TRSI, disse: “Esse estudo está em seus estágios iniciais, mas seus resultados são comparáveis àqueles de outras vacinas contra drogas que foram para os ensaios clínicos”.

A popularidade da metanfetamina decolou nos últimos 20 anos. O entorpecente é particularmente viciante e com efeito devastador sobre o organismo humano.

De fato, a meth se tornou uma das drogas mais comumente usadas e abusadas em todo o mundo. Mas desenvolver vacinas eficazes mostrou-se um problema até agora.

Vício em drogas

Assim como as vacinas tradicionais invocam respostas dos anticorpos contra os vírus e bactérias, anticorpos antidrogas devem “agarrar” as moléculas das drogas e evitar que entrem no cérebro – zerando as chances do usuário sentir seus efeitos e anulando o estímulo a consumir a droga.

Há dois anos, o pesquisador Kim Jands e seus colegas desenvolveram seis possíveis vacinas para a metanfetamina, incluindo a MH6, que bloqueou os efeitos da droga.

Para o novo estudo, eles observaram a MH6 com mais atenção, descobrindo que ela impede um aumento na temperatura corporal e na hiperatividade que ocorre após o consumo da droga.

Submeter esses efeitos promissores em medições comportamentais foi uma resposta robusta dos anticorpos, que em ratos vacinados manteve mais da droga na corrente sanguínea e fora do sistema nervoso, comparado aos ratos-controle.

“Esses são resultados encorajadores que nós gostaríamos de acompanhar com outros testes em animais, e, esperamos, em testes clínicos em humanos um dia”, disse a copesquisadora Michelle Miller.

Dr. Janda disse ainda: “A vacina tem as características certas para que se desenvolva ainda mais. Ela certamente funciona melhor que as outras vacinas ativas para metanfetamina relatadas até o momento”.

Vacinas contra a nicotina e a cocaína já estão em ensaios clínicos.

Com Jornal Ciência

Deixe um comentário interessante neste artigo: