Um novo cordel detona Pedro Bial e seu programa BBB

Cordel - Big Brother Brasil TV Globo

A FORÇA DA POESIA CONTRA A BAIXARIA

Do blog BananaPost

2012 pode não ser ainda o fim do mundo completo mas, certamente, é o ano do pior inferno astral para o filósofo de para-choques de caminhão metido a intelectual Pedro Bial.

Não bastasse o barraco do “estupro” que derrubou a audiência e provocou a fuga de patrocinadores do Big Brother Brasil 12, ressurge uma antiga pedra no sapato do Pedro.

O incômodo atende pelo nome de Antonio Barreto, o educador, artista popular e cordelista baiano que tirou do sério o milionário mestre de cerimônias do programa da Globo.

Comenta-se nos bastidores globais que o puxa-saco dos irmãos Marinho espuma de ódio ao ouvir falar do autor do famoso cordel que detonou a série inteira do BBB.

Só que agora Barreto retorna com a contundência de seu humor em versos mordazes em Outro Cordel para Pedro Bial – BBB II. Pedra após pedra, o Pedro vai sendo demolido.

OUTRO CORDEL PARA PEDRO BIAL – BBB II

Autor: Antonio Barreto, natural de Santa Bárbara, residente em Salvador.

I

Há bem pouco tempo fiz
O cordel do BBB,
Mas parece que o Bial
Não saiu do ABC,
Agora fiz o segundo
E não quero fuzuê!

II

Consultei um advogado
Pra saber as consequências.
Ele me disse: “Barreto,
Teu cordel tem procedências,
Manda ver nesse Bial
Que é cheio de indecências!

III

Eu mudei a estratégia
No modo de elaborar…
Nas ruas de Salvador,
Fui o povo entrevistar.
Então veja a opinião
Dessa força popular.

IV

Escutei a lavadeira,
O aluno, o professor
O juiz, o taxista,
A professora, o doutor
E por pouco não falei
Com o nosso governador!

V

Esses versos de clamor
Sei que não esquecerei
Pois o povo tem razão
Disso nunca me enganei.
Então veja a voz do povo
Conforme descreverei:

VI

— A TV Globo já fez
Escola de putaria
Com o tal do BBB
Que é pura baixaria:
Tem assédio, bebedeira
Tem racismo, tem orgia…

VII

— Para adquirir ibope,
O macabro do Bial,
Esse cabra bexiguento,
Antiético e imoral,
Inovou seu repertório
Com apelo sexual.

VIII

— O grande apresentador
Parece não ter virtude.
O espelho não lhe mostra
Sua pobreza de atitude,
Dando tanto mau exemplo
Para a nobre juventude.

IX

— Ele disse: “O amor é lindo”,
Na hora da “esfregação”,
Como se Morango e Ana
Fossem Eva e Adão:
Bem livres no “paraíso”
Daquela televisão!

X

— O Pedro Bial não sabe
Que as novas gerações
Carecem de mente fértil
A trazer boas lições,
Mas ele prefere ser
Mercador das ilusões.

XI

— A cada programa seu,
É um mar de insensatez,
Ele elogia as coisas
Que nem ele mesmo fez.
Acho que um psiquiatra
Pode lhe dar altivez.

XII

— Seja amigo do Brasil,
Chega de devassidão;
Seja amigo das crianças,
Reflita na educação
Dos verdadeiros HERÓIS
Que habitam a Nação.

XIII

— Certamente a vaidade
Fez Bial enlouquecer.
Do jeito que as coisas vão,
Ele logo vai dizer
Que sua missão na Terra
É o dinheiro e o poder.

XIV

— O seu programa parece
Um puteiro, uma zorra,
Um zoológico de humanos,
Tal Sodoma e Gomorra
E o brasileiro sensato
Não acha quem lhe socorra.

XV

— Isso aí tá muito bom,
Na Globo tá bom demais !
Vocês no Globo Rural
Querendo nos dar cartaz,
Mas o cordelista atento:
Nessa nunca vai atrás!

XVI

— Gostei do timbre de voz
E também da dicção
Impostada por Bial
Dando boa impressão…
Verde que te quero rosa,
Meu querido charlatão!

XVII

— Querido Pedro Bial,
Eu também sou jornalista,
Porém não me venderia
Ao mundo capitalista:
Esqueça tanto dinheiro,
Procure ser altruísta.

XVIII

— Não precisa explorar
O homossexualismo,
Além de ficar patente
Esse ranço de racismo,
Sem falar nas perversões
E do sensacionalismo.

XIX

— A família então precisa
De moral bem elevada.
Bons costumes às crianças,
Creio, não lhe custa nada.
Será que você tem filho,
Meu querido camarada?

XX

— Justo no horário nobre
Nosso lar é invadido,
E você com seu sorriso,
De apresentador sabido,
Vai deixando esse Brasil
Cada vez mais iludido.

XXI

— Procure ser mais sensato,
Há tempo para mudança,
Chega de botar dinheiro
Nessa maldita poupança,
Pois no juízo final
Sei que Lúcifer te alcança!

XXII

— Sei que a justiça divina
Vai baixar na tua aldeia,
Satanás te dá um abraço
E te chega logo a peia,
Pois somente dessa forma
Tua mente então clareia !

XXIII

A quem vamos apelar,
Aos filhotes do Marinho?
Ao capitão desta “Nave”,
Esse tal de “Seu” Boninho?
Vou parando por aqui
Para não morrer sozinho!

FIM

Salvador, janeiro de 2012

Conheça outros cordéis e o trabalho artístico de Antonio Barreto em A Voz do Cordel.

Deixe um comentário interessante neste artigo: