Truque: aprenda a fazer a caipirinha sem gosto amargo

E COLOQUE A CONCORRÊNCIA NO CHINELO

Jeito certo de fazer caipirinha

Em todo o tipo de pesquisa que se faça entre barmens do mundo inteiro, a brasileiríssima caipirinha figura sempre pelo menos entre os oito drinks mais conhecidos e consumidos do planeta. Coisa boa e merecida, não?

Tanto mais perfeito é um coquetel quanto menos componentes entram em sua combinação. Esse é um dos critérios de avaliação. Daí vem o sucesso da caipirinha, composta basicamente de cachaça, limão, açúcar e gelo.

Enfim, a receita todo mundo conhece, mas há alguns truquezinhos que podem deixá-la muito mais saborosa e colocar a concorrência no chinelo. Vamos a eles, então?

Caipirinha só amarga quando não é bem feita

Recomenda-se o uso da cachaça branca e neutra, de safra recente. Os extratos das madeiras dos tonéis costumam alterar bastante o paladar durante o processo de amaciamento ou envelhecimento da aguardente. Por isso, o pessoal diz que caipira boa se faz com cachaça verde. Mas essa é uma questão de gosto.

O limão deve ser aquele verde de casca fininha e lisa. As chamadas tampas da fruta devem ser retiradas – a superior, onde se prende o talo, e o biquinho inferior. Essa partes costumam amargar a bebida. O mesmo ocorre com o miolo ou bucha, aquela fibra clarinha bem no meio do eixo principal do fruto.

Caipirinha de cachaça

Os pedaços não podem ser espremidos com muita força. Nem se deve girar o espremedor para macerar a casca em demasia. Isso libera um aldeído chamado lemoneno que compõe a oleosidade da casca e libera um amargor danado. Lembre-se: o objetivo é apenas o sumo.

Na hora de chacoalhar não se deve ultrapassar 10 movimentos rápidos e firmes. Ficar balançado demais a coqueteleira também faz o limão amargar. Não é legal, mesmo!

Caipirinha bem feita é aquela em que o limão fica boiando na superfície. Se afundar é porque o limão não é fresco, foi cortado com muita antecedência, utilizou-se uma aguardente de má qualidade ou foi feita no sopapo, de qualquer maneira, sem capricho.

Outro macete é substituir o açúcar por adoçante. O resultado é excelente. O açúcar potencializa a ação do álcool sobre o organismo e deixa qualquer um chapado rapidinho.

O grande pulo do gato que ninguém conhece

E agora o toque de midas para eliminar o excesso de acidez na sua bela caipirinha: ela já está preparada e só falta chacoalhar para servir, certo?

Pois bem, você vai adicionar duas ou três gotinhas – e não mais do que isso, hein! – de angostura, que é um tipo de bitter feito à base de raiz da violeta genciana e outras ervas muito amargas. Aromático e muito concentrado, usa-se apenas em gotas, no preparo de coquetéis e, por isso, uma garrafinha deve estar sempre à disposição.

Se você tiver dificuldades em encontrar, a angostura pode ser substituída razoavelmente bem pelo Fernet ou pelo Underberg. Curiosamente, o amargo do bitter anula o amargor do limão e a caipirinha fica super balanceada. Esse é o chamado pulo do gato, que quase ninguém conhece, mas que faz toda a diferença do mundo.

Aproveite bem estas dicas, que compartilho agora e que me foram passadas há anos pelo Paulo, dono de um bar chamado Sal da Terra, que existiu em Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. Experimente essas dicas e veja se o cara não sabe das coisas.

* * *

Blog da Nívia de Oliveira Castro

11 comentários em “Truque: aprenda a fazer a caipirinha sem gosto amargo

  • 9 de janeiro de 2012 em 14:22
    Permalink

    Truque: aprenda a fazer a caipirinha sem gosto amargo

    muito bom o artigo. parabéns.

    Resposta
    • 11 de fevereiro de 2011 em 13:30
      Permalink

      Eu já tinha visto, Cláudio, assim que pingou o “ping-back”. Obrigada pela referência.

      Não tenha dúvidas que vou me “vingar” tomando por empréstimo algumas das suas ótimas dicas e receitas, combinado?

      Resposta
  • Pingback: A caipirinha perfeita « papillon

  • 4 de março de 2010 em 21:40
    Permalink

    a caipirinha original é feita com a cachaça branca ou a amarela???

    Resposta: Com a branca, Jurandir, que é neutra. Em geral usa-se a chamada cachaça “verde” ou nova. A madeira interfere muito no paladar. Praticamente só os gringos, por falta de experiência, encaram a caipira com a amarelinha.

    Resposta
  • 8 de novembro de 2009 em 09:16
    Permalink

    Ihhhhh……. então eu sempre fiz tudo erado. Achava tb q era pra usa cana velha o + certo. Ta c/ pinta q vc ta c/ razão. Depois te digo, ta?.

    Resposta
  • 7 de novembro de 2009 em 21:38
    Permalink

    Vivendo e aprendendo. E eu que achava que sabia tudo de caipirinhas. Ficou “redondinha” com o equivalente a uma colherinha de chá de Under. Boa dica.

    Resposta
  • 4 de novembro de 2009 em 18:37
    Permalink

    Aprendi muito. Vou seguir esses conselhos. O pulo do gato promete. Grata

    Resposta
  • 29 de outubro de 2009 em 21:17
    Permalink

    oi. sou barmem como se diz e segui teus concelhos. como disseram ai encima o negocio funcionou bem. queria te agradeze porque vou melhora o geito de atende meus fregezes. obrigado. voce me ajudou a melhora profissionalmennte. deus te acompanhe sempre. givan.

    Resposta
  • 23 de outubro de 2009 em 12:27
    Permalink

    Também experimentei e funcionou. Mas é aquilo mesmo, não pode colocar bitter de+ que passa a interferir. É só um cadinho de nada, só um susto, que fica muito gostoso. Parabéns pelas dicas.

    Resposta
  • 22 de outubro de 2009 em 14:13
    Permalink

    caramba galera. volteei correndo aqui pra te dizer que deu certo. botei uns pinguinhos de fernet e a caipirinha ficou 10. sumiu todo o amargoso. como pode um negocio desse? nunca tinha me acertado com isso. depois poem mais receita com dicas assim que achei muito legal. obrigado.

    Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: