Transformação de livros em esculturas de paisagens exóticas

Livros usados - esculturas

LITERATURA RECICLADA EM ESCULTURA

Do blog ECOnsciência

Há uns três anos toda a produção anual na esfera virtual chegou a 800 exabytes de informação. O numerozinho absurdo pode ser traduzido para o equivalente a 134 trilhões de exemplares, por exemplo, de Bíblias. Agora com certeza já aumentou bastante.

Imagine se, ao invés de ocupar espaços em computadores, toda esta informação tivesse que ser impressa como antigamente. Pior: para formar bibliotecas em moradias cada vez mais compactas e sem espaço sequer para acomodar nossas velhas enciclopédias.

Por falar nisso, qual foi o destino que você planejou para aquela coleção de livros grossos em papel couchê que não cabe em lugar nenhum da casa nova? Vender a quilo para um sebo ou catador para repassar os volumes a uma fábrica de papel higiênico?

Montanhas de Guilin Yangshuo Longsheng

Obviamente você não vai reservar um fim assim tão pouco nobre à sua Britânica, mais propício a certas revistas e jornais impressos da velha mídia mentirosa e conspiradora — cuidado, não vá contaminar seus peixes com embrulhos imundos!

Caso você seja uma pessoa multi-talentosa como o escritor, cantor, músico, cenógrafo, pintor, escultor (ufa, e mais um monte de coisas) Guy Laramée, vai cuidar para que seus livros sejam reciclados em lindas esculturas de paisagens exóticas.

Livros esculpidos

Por exemplo, nas milenares plantações de arroz em terraços nas áreas montanhosas das regiões chinesas de Guilin, Yangshuo e Longsheng. Ou outras tão incríveis quanto, que o canadense sacou de sua comprovadamente fértil imaginação.

O que eu posso adiantar é que é bastante trabalhoso — como de resto tudo na vida. Mas nada que não seja resolvido com a manipulação adequada de pequenos equipamentos, como microrretíficas manuais equipadas com limas e fresas rotativas.

Guilin, Yangshuo e Longsheng

Veja essas e outras esculturas no site de Guy Laramée. É uma viagem e tanto na obra deste artista multidisciplinar e, acima de tudo, genial.

Deixe um comentário simpático neste artigo: