Titan luta para provar que é o supercomputador mais poderoso da Terra

Super computador Titã

DIVINDADE CIBERNÉTICA

A mais poderosa máquina já construída pelo ser humano pode estar funcionando num laboratório do Tennessee. Trata-se do supercomputador Titan, nome em referência aos deuses gregos que ousaram desafiar Zeus no Olimpo.

Revelado no final de outubro pelo Oak Ridge National Lab e administrado pelo Depto de Energia dos EUA, o Titan é uma máquina da Cray feita de quase 19 mil unidades processadoras agrupadas e com 710 terabytes de memória.

Ele pode fazer 20 quatrilhões de cálculos por segundo ou 20 petaflops. É o suficiente para colocá-lo no topo do mundo, pelo menos agora. O segundo supercomputador mais poderoso era o Sequoia, um sistema da IBM que foi aferido em 16 petaflops.

Mas as pessoas que mantém guias sobre essas coisas estão criando uma nova lista dos computadores mais poderosos do mundo, e ainda não é claro quem vai terminar no topo.

A lista semestral deve ser publicada agora, a 11 de novembro, durante uma grande conferência sobre supercomputação em Salt Lake City.

O Titan é uma máquina tecnicamente interessante. Faz parte de uma nova tendência em usar chips de processamento de gráficos para fazer cálculos.

Máquina mais poderosa da Terra

Mas o supercomputador não é o favorito para vencer, diz Horst Simon, o vice-diretor do Lawrence Berkeley National Laboratory, que ajuda a administrar a lista dos Top500 supercomputadores.

“Esta será uma corrida desafiadora e eu estou curioso para ver se o Titan pode superar o Sequoia na jornada pelo número um na lista dos Top500”, disse.

Os técnicos do Oak Ridge precisarão fazer algumas “implementações cuidadosas” para sair na frente do Sequoia nos testes de aferimento da lista dos Top500, segundo Horst.

O Titan é dez vezes mais poderoso que o Jaguar, o melhor supercomputador que o ORNL tinha até a sua fabricação. Também construída pela Cray, o Jaguar estava no topo do mundo há apenas três anos, na sexta posição na lista mais recente dos Top500.

“O aumento da ordem de magnitude na força computacional disponível no Titan nos permitirá investigar modelos ainda mais realísticos com melhor precisão”, disse o Oak Ridge em comunicado à imprensa.

O ORNL diz que usará o Titan para processar números para simulações de computador que estudam a energia, as mudanças climáticas e materiais.

Com Jornal Ciência

Deixe um comentário interessante neste artigo: