Tempos Modernos: o direito humano à felicidade

CHAPLIN: OPERÁRIO VISIONÁRIO DO CINEMA


Tempos Modernos é um filme de 1936, dirigido e protagonizado por Charles Chaplin que conta a história de um operário explorado na linha de produção de uma grande fábrica. Ele desempenha sem parar o trabalho de apertar parafusos.

Desumanizado e tratado como uma reles peça mecânica pelos patrões, serve até de cobaia para uma engenhoca idealizada para que os operários almocem sem ter de utilizar as mãos para tanto e, assim, não interromper a massacrante rotina de trabalho.

Charles Chaplin - Filme Tempos Modernos 1936

De tanto repetir a atividade, o homem-engrenagem passa a apresentar problemas de stress e, estafado, perde a razão de tal forma que pensa que deve apertar tudo o que se parece com parafusos, como os botões de uma blusa, por exemplo.

Emocionalmente incapacitado, é despedido e, logo em seguida, internado em um hospital.

Após passar algum tempo convalescendo sai de lá recuperado, mas com a eterna ameaça de estafa que a vida moderna impõe: a correria diária, a poluição sonora, as confusões entre as pessoas, as multidões nas ruas, os congestionamentos, o desemprego, a fome, a miséria…

A comédia — altamente crítica quanto à exploração humana pelos poderosos — foi rodada em 1936 e serviu de pretexto para as perseguições ideológicas contra Chaplin, acusado de comunista pelos fanáticos seguidores do macartismo, que violaram os direitos civis nos EUA no início da chamada guerra fria. Por este motivo, a partir de 1952, o artista passou a viver exilado na Europa.

“Tempos Modernos é uma história sobre
a indústria, a iniciativa privada e a
humanidade em busca da felicidade.”

(Charles Chaplin, em frase no início do filme)


Deixe um comentário simpático neste artigo: