Stephen ‘mãos de picareta’ volta a praticar o alpismo

Mãos de picareta

NO TOPO DO MUNDO

Após perder dedos e mão, britânico ganhou membros artificiais com equipamentos de alpinismo. Próteses com picaretas fizeram alpinista amputado retornar às montanhas.

Um alpinista que perdeu parte dos membros superiores em um acidente ganhou duas mãos mecânicas, em formato de picareta, com as quais voltou a praticar seu esporte.

Em 1999, o britânico Stephen Ball, 54 anos, sofreu uma queda e ficou várias horas preso em meio a uma tempestade de neve no Monte McKinley, no Alasca (Estados Unidos), a montanha mais alta da América do Norte, com 6,1 mil metros de altura.

Devido ao frio extremo, Ball perdeu a mão esquerda, os dedos da mão direita, parte do nariz, o pé direito e a perna esquerda – que sofreu fraturas em 12 pontos diferentes.

O alpinista recebeu as próteses em um hospital de Carlisle, condado de Cumbria, na Grã-Bretanha. Elas foram criadas pelo especialista Phil Myers, premiado por seu trabalho de criação de membros artificiais.

Mãos de picareta

Ball afirma que foi até o hospital apenas para receber a sua nova perna mecânica, mas apresentou a Myers a ideia de ter próteses especiais que o ajudassem a voltar a escalar.

Com isso, o técnico foi atrás de equipamentos em lojas de ferragens para criar os membros especiais. Myers criou um sistema para que os machados deslizem e tenham a sua posição ajustada.

O alpinista afirma que a adaptação às próteses foi tranquila, e que agora ele escala de uma maneira que não imaginava mais ser possível.

Além das picaretas de Ball, Myers criou ainda um braço mecânico com um sistema de absorção de choque para um motociclista amputado. As duas criações lhe valeram um prêmio da Associação Britânica de Proteticistas.

No Estadão

Deixe um comentário simpático neste artigo: