Sapato hightech ajuda recuperação de pessoas que sofreram acidentes

Calçados com sensores

Sapatos inteligentes monitoram todos os passos dados pela pessoa. Desenvolvido para tratamento de pacientes que precisam reaprender a andar, o ForceShoe registra de maneira precisa a forma como o usuário pisa e se movimenta.

O NOVO CALÇADO TECNOLÓGICO

Pesquisadores da Universidade de Twente, na Holanda, desenvolveram um sapato inteligente capaz de mostrar exatamente como uma pessoa anda.

Através de uma série de sensores espalhados pelo acessório, é possível realizar análises de desempenho e detectar facilmente problemas na maneira como o usuário se movimenta.

A novidade foi desenvolvida com o objetivo de ajudar na recuperação de pacientes que sofreram alguma espécie de derrame, enfarto ou que têm que lidar com a paralização de partes do corpo.

Como muitos deles têm que reaprender novamente como andar, o sapato ajuda os médicos a determinar o progresso obtido até o momento, para em seguida determinar qual a melhor forma de tratamento utilizar em seguida.

Sapatos inteligentes - Force ShoesO acessório, desenvolvido em parceira com a companhia Xsens, representa uma grande revolução no tratamento de pacientes com problemas de movimentação.

Antes dele, era necessário o uso de laboratórios de movimento especializados para detectar a evolução de pacientes, espaço restrito a poucos locais devido ao alto custo de fabricação.

EMPREGO EM OUTRAS ÁREAS

Em um primeiro momento, o sapato será comercializado sob o nome ForceShoe, somente com o objetivo de tratar vítimas de enfartes. Depois o uso do acessório deverá ser estendido a outras áreas.

A invenção poderia ser usada como forma de determinar o esforço realizado por funcionários em ambientes de trabalho pesado, algo que deve interessar principalmente às companhias de seguro.

Também não está descartada a utilização da novidade no campo esportivo, com o objetivo de ajudar atletas a melhorar a forma como correm ou arremessam objetos.

Todavia, antes que isso seja possível, é preciso investir em mudanças de design que reduzam o tamanho dos sensores utilizados.

Visto no TecMundo

Deixe um comentário simpático neste artigo: