Risco de militar ser estuprada é 180 vezes maior que morrer em combate

Violência sexual contra soldados mulheres

FOGO ‘AMIGO’

A Cachaça da Happy Hour

O verdadeiro ‘inimigo’ dorme ao lado. Uma em cada três oficiais sofreu violência sexual nas Forças Armadas dos EUA. A probabilidade de ser estuprada pelos próprios companheiros de farda é muito maior do que a de sofrer ataques terroristas ou morrer em combate.

Por Marina Mattar *

A rotina das mulheres norte-americanas que servem nas Forças Armadas é repleta de perigos: diariamente elas têm de enfrentar o risco de atentados contra os seus batalhões e bombas plantadas além de outros desafios intrínsecos aos conflitos armados.

No entanto, essas militares também sofrem com a violência dentro dos próprios quartéis e muitas vezes, não tem a quem recorrer.

A oficial Rebekah Havrilla conta que já estava preparada psicologicamente para a possibilidade de morrer em um ataque terrorista no Afeganistão, mas não para ser estuprada por muitos de seus colegas e superiores nas bases e campos militares dos EUA.

Na primeira vez em que foi assediada, o líder de seu grupo se aproximou por trás, mordeu com força o seu pescoço e disse “Eu quero muito te comer agora”. Dias depois, outro colega a estuprou.

Tia Christopher, que se alistou na Marinha em 2000, passou por uma situação muito similar apenas dois meses depois de ter entrado na organização.

Demi Moore - Até o Limite da Honra

Em uma noite quando estava entrando em seu quarto para dormir, um companheiro do batalhão militar invadiu o local e a estuprou, batendo sua cabeça várias vezes contra a parede. Assustada e com apenas 18 anos, a aspirante a oficial se livrou de todas as provas contra o companheiro que continuou a assediá-la.

PERIGO 180 VEZES MAIOR

O caso dessas duas mulheres norte-americanas não é excepcional nem muito diferente das outras companheiras militares.

De acordo com dados do Departamento de Defesa, pelo menos uma em cada três mulheres entre as 207 mil do corpo militar norte-americano já foi vítima de estupro e/ou outros abusos sexuais.

O índice de ocorrência é o dobro do que ocorre, em média, na sociedade do país, onde uma em cada seis mulheres já sofreu violência sexual.

Entre outubro de 2010 e setembro de 2011, cerca de 3,2 mil estupros dentro das Forças Armadas dos EUA foram denunciados, mas o Pentágono calcula que dentro deste período, pelo menos 19 mil abusos sexuais entre colegas aconteceram.

Apesar de autoridades explicarem que a violência não acontece apenas contra mulheres, o grupo feminino representa a grande maioria.

Isso significa que o risco de uma militar norte-americana ser estuprada no período de um ano dentro das Forças Armadas é 180 vezes maior do que o de ser morta em combate no período de onze anos no Iraque ou no Afeganistão.

Os dados disponibilizados pelo governo norte-americano também apontam que a maior parte dos estupradores é homem com mais de 25 anos e que possui posição hierárquica mais elevada do que a da vítima.

Estas informações explicitam que o caso de Rebekah e Tia longe de serem exceções, representam o padrão da violência dentro das Forças Armadas.

Estupro de mulheres militares

ENFRENTANDO A ESTRUTURA

Mesmo triste e assustada, Tia decidiu lavar os lençóis, roupas e tudo o que pudesse indicar que havia sido vítima de estupro. A aspirante a oficial decidiu que não levaria essa história adiante, apesar de saber que o seu colega poderia violenta-la novamente. Ela apenas mudou de ideia quando soube que este mesmo militar estuprava outras garotas.

Outra oficial tentou desencorajá-la de denunciar o estuprador para seus superiores, mas Tia foi adiante com o seu plano e acabou por esbarrar na estrutura judicial militar.

“Então, me diga mais uma vez, qual era a cor da sua calcinha quando você foi estuprada?”, perguntou o oficial responsável pela investigação.

Segundo dados do governo dos EUA do ano 2011, apenas 240 das 3 mil 200 denúncias foram para o tribunal e, destas, somente 6% resultaram em sentenças condenatórias. A grande parte dos estupradores condenados teve que pagar multa ou, no pior dos casos, foi rebaixado na carreira.

Em muitos casos, a vítima não denuncia a violência sexual porque a pessoa para quem devem denunciar é o próprio estuprador e, em outros, a alta patente do agressor impede a continuidade das investigações.

Violência contra mulheres militares

O processo de Claire Russo, que envolveu alto grau de violência, foi interrompido porque os Fuzileiros Navais não gostam de “lavar roupa suja em publico”.

Em 2004, Claire foi sedada por um capitão que a violentou brutalmente. Segundo informações de seu processo judicial, a oficial tinha hematomas em suas nádegas, vagina e lábios, além de machucados em seu ânus.

“No fim, foi-me dito pelo comando direto que a sodomia – forçada ou não – não é crime segundo o Código Militar, de modo que eu não poderia prestar queixa”, disse Claire ao jornal Huffington Post.

E O GOVERNO?

No dia 27 de setembro, o secretário de Defesa dos EUA, Leon Panetta, ordenou uma mudança no treinamento militar das diferentes corporações que compõem as Forças Armadas. Um de seus objetivos é o de prevenir a violência sexual dentro dos quartéis, que atinge níveis preocupantes em algumas localidades.

Não é a primeira vez, no entanto, que o governo tenta acabar com o problema.

Em 2005, o então secretário de Defesa Donald Rumsfeld também exigiu a reformulação dos programas de formação militar.

“A meta do Departamento de Defesa é uma cultura livre de abuso sexual, por meio de um ambiente de prevenção, educação e treinamento, de apoio à vítima e de responsabilização apropriada”, afirmou o órgão na época.

Desde então, milhares de mulheres continuam a ser violentadas pelos próprios oficiais.

* No Opera Mundi

Deixe um comentário simpático neste artigo: