Rio de Janeiro é o atual campeão mundial de investimentos produtivos


Investimentos produtivos no Estado do Rio de Janeiro

RIOS DE DINHEIRO

O Chefe de Redação

Depois de meio século de decadência econômica — desde que a capital federal mudou-se para Brasília — o Rio de Janeiro, enfim, se transforma na nova locomotiva do Brasil e vai receber, apenas no triênio de 2011 a 2013, investimentos públicos e privados que somarão R$ 181,4 bilhões.

Comparado com a dimensão territorial do estado (43,7 mil km2), o volume do investimento é impressionante: mais de R$ 4 milhões por quilômetro quadrado, fazendo do Rio o maior concentrador de recursos econômicos e produtivos do mundo.

Os dados da Firjan — Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro, mostram que no setor de infraestrutura serão investidos R$ 36,3 bilhões; na indústria de transformação, R$ 29,5 bilhões; e, em turismo, R$ 1 bilhão.

O setor de Petróleo e Gás receberá cerca de R$ 107,9 bilhões em investimentos da Petrobras e de empresas parcerias. E, para os demais setores, está previsto o total de R$ 6,7 bilhões.

Os principais investimentos são os projetos relacionados à Copa do Mundo e aos Jogos Olímpicos (R$ 11,5 bilhões), Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (R$ 9,1 bilhões), Usina termonuclear Angra 3 (R$ 8 bilhões), Usina Termelétrica Porto do Açu Energia S.A. (R$ 5,1 bilhões), Estaleiro da Marinha do Brasil / Prosub (R$ 3,8 bilhões), Estaleiro OSX (R$ 2,3 bilhões) e Siderúrgica Gerdau – Consigua (R$ 2 bilhões).

INTERIORIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS

Apesar de a capital do estado responder por 11,7% do valor total dos investimentos, devido à proximidade dos jogos esportivos, o estudo aponta para a interiorização.

O Norte Fluminense receberá 7,7% desses investimentos em função da infraestrutura logística, siderurgia, energia e indústria naval. A região Leste, que responde por 7,3% do total, tem como setores mais importantes as indústrias petroquímica e naval.

O Sul Fluminense receberá 6,3%, com destaque para energia e indústria naval. A Baixada Fluminense responde por 6% do previsto em investimentos ligados aos setores naval, petroquímico, e de transporte/logística.

A região Serrana terá 0,7% dos investimentos, enquanto as regiões Noroeste e Centro-Norte receberão 0,3% cada uma.

Além dos setores em destaque, a pesquisa prevê que, no futuro próximo, o estado se destacará pela produção de tecnologia de ponta, considerando a instalação de diversos centros de pesquisa e de tecnologia já em andamento.

Matéria completa aqui

* * *

O Chefe de Redação


Deixe um comentário interessante neste artigo: