Renúncia ou cassação: situação política ‘mortal’ para Demóstenes

Político corrupto - charge

O DESTINO POLÍTICO DO SENADOR

O Chefe de Redação

Não tem mais para onde correr, o bicho pegou por todos os cantos para o Catão de Goiás, o implacável caçador de corruptos. A casa caiu, como se diz no jargão policial, para o até então queridinho e protegido da velha mídia. Os antigos aliados reconhecem que a sorte, para seu azar, está lançada.

Mesmo assim, num patético esforço para evitar a cassação – e a consequente perda dos direitos políticos –, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) convocou uma reunião com seu advogado, Antonio Carlos de Almeida Castro, para avaliar a possibilidade de renunciar ao mandato.

É que o chumbo grosso que costumava disparar contra inimigos políticos, agora voltou-se contra ele: a sua renúncia imediata foi cobrada no domingo, 1, pelo presidente da Ordem dos Advogados do Brasil.

Alvo de grampos telefônicos em que demonstra intimidade com o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, a quem chegou a chamar de “professor”, Demóstenes complicou-se ao tentar explicar as relações com o (seu) chefe no esquema de jogos de azar investigado pela Polícia Federal, na Operação Monte Carlo.

A reunião entre o senador e o advogado ocorreu no domingo à noite. Nenhum dos dois se manifestou após o encontro. À tarde, o presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante, pediu uma “medida extrema”.

“O teor das conversas telefônicas mantidas com o empresário, divulgadas pela imprensa, evidenciam uma situação mortal para qualquer político”, afirmou, ao defender a renúncia.

O melhor é que o artifício de uma eventual renúncia de Demóstenes não mais o livrará, automaticamente, do risco de se tornar inelegível.

Pela Lei da Ficha Limpa, declarada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF), os políticos que renunciarem ao mandato após o oferecimento de representação por quebra de decoro ficam inelegíveis pelo período restante do mandato e pelos oito anos seguintes.

Completo aqui (com ilustração de Ivan Cabral para a Charge Online)

Deixe um comentário simpático neste artigo: