Quanto de mim vale um anjo – a poesia de Romério Rômulo

Anjo Arte Fantástica

ANJOS E DEMÔNIOS

A Cachaça da Happy Hour

quanto de mim vale um anjo

quanto de mim vale um anjo
se traduz por um diabo
se cada vazio oculto
na alma cheia de dentes

meus cavalos e pedreiras
minhas glândulas atávicas
os umbrais da minha sede
prontamente se revelam

uns bois de olhos sagrados
me contemplam com seu dorso
de pura dureza vista
nos antanhos já bebidos

são anjos, demônios, roncos
de uma pele atrevida
já pisada de histórias
e pratas não semeadas

quantos deuses me engolem
quantas almas me sufragam
se a avó em ato louco
pôs suas asas sobre mim?

romério rômulo


Deixe um comentário simpático neste artigo: