Primeiro ‘teste de fogo’ com um veículo movido a hidrogênio

Veículo usa hidrogênio como combustível

SEM JOGADAS DE MARKETING

Do blog ECOnsciência

Embora sejam comuns em campanhas de marketing das indústrias automobilísticas, há vários entraves tecnológicos rumo à viabilização total de um carro movido a hidrogênio — o elemento químico mais abundante do Universo.

Por isto são bacanas a iniciativas de interesse coletivo, e não apenas individual, como esta caminhonete de limpeza e coleta de lixo urbano em testes de longa duração, em condições reais de operação.

Para verificar se as tecnologias disponíveis hoje são boas o suficiente, engenheiros do instituto EMPA, na Suíça, decidiram incorporar a célula de combustível a hidrogênio e motores elétricos em um veículo utilitário compacto.

O caminhãozinho foi submetido a condições reais de operação na cidade de Basel, durante três meses, inteiramente operado pelos funcionários da companhia de limpeza pública.

O resultado foi melhor do que o esperado: ele só teve que ir para a oficina uma única vez, para troca de uma bomba de água e do conversor de tensão entre a célula a combustível e as baterias.

Segundo os técnicos, o teste demonstrou que as células a combustível estão prontas para serem usadas em aplicações reais do dia-a-dia, particularmente em nichos de aplicação, como nos utilitários de serviços públicos.

ECONOMIA DE COMBUSTÍVEL

A principal vantagem do veículo a hidrogênio é a economia de combustível.

Em vez de 5 a 5,5 litros de diesel por hora – equivalente a um consumo energético de 180-200 MJ/h – o utilitário a hidrogênio gastou entre 0,3 e 0,6 kg de hidrogênio por hora – equivalente a 40-80 MJ/h.

Deve ser levado em conta que o custo inicial do veículo a hidrogênio é três vezes maior do que o mesmo modelo a diesel. Mas os engenheiros argumentam que as células a combustível, um componente importante do custo inicial, custam hoje um décimo do que custavam há 10 anos, e essa tendência está se mantendo.

No quesito emissão de poluentes, embora as células a combustível só emitam vapor de água como resíduo, é necessário levar em conta que o hidrogênio hoje é produzido pela reforma do gás natural. Ainda assim, o veículo a hidrogênio emitiu 40% menos CO2 do que a versão a diesel, levando em conta todo o ciclo.

SEM VAZAMENTOS

Não foi detectada nenhuma ocorrência de vazamento de hidrogênio, nem mesmo nas estações de reabastecimento, que eram operadas pelos próprios funcionários do serviço de limpeza da cidade, que usavam o veículo.

Os testes continuarão em outra cidade, uma vez que os engenheiros pretendem observar o comportamento do veículo a hidrogênio conforme suas peças se desgastam, a fim de calcular o custo total no tempo de vida do veículo.

Com Inovação Tecnológica

Deixe um comentário simpático neste artigo: