Por que tantas mentiras prosperam nas redes sociais?

A IGNORÂNCIA GERA ÓDIO E PRECONCEITO

Ódio e Preconceito

Tá assim de gente que replica acriticamente os hoaxes com besteiras que invadem o correio eletrônico ou as asneiras mal-intencionadas que rolam nas redes sociais.

Em tempos estrelados por coxinhas virtuais, como os que vivemos agora, cabe uma reflexão para aqueles que prezam por cultivar amizades através do bom senso.

Efeito Dunning-Kruger é um fenômeno pelo qual indivíduos que possuem pouco conhecimento sobre um assunto acreditam saber mais do que outros mais bem preparados.

Isto faz com que tomem decisões equivocadas e cheguem a resultados indevidos. Porém esta própria incompetência os restringe da habilidade de reconhecer os próprios erros.

Estas pessoas sofrem de superioridade ilusória.

Por outro lado, a competência real pode enfraquecer a auto-confiança e algumas pessoas muito capacitadas podem ser acometidas da chamada inferioridade ilusória.

Elas acham que não são tão capacitadas assim e passam a subestimar habilidades existentes.

Chegam ao ponto de acreditar que outros indivíduos menos capazes também são tão ou mais capazes do que elas próprias.

O fenômeno foi demonstrado em uma série de experimentos realizados por Justin Kruger e David Dunning, pela Universidade de Cornell.

Seus resultados foram publicados no Journal of Personality and Social Psychology, em dezembro de 1999.

Kruger e Dunning perceberam que vários estudos anteriores sugeriam que em habilidades tão distintas como compreensão de leitura, operação de veículos motorizados, e jogar xadrez ou tênis, a “ignorância, com mais freqüência do que o conhecimento, gera confiança”.

Eles propuseram então as seguintes hipóteses, dada uma habilidade típica que humanos possuam em maior ou menor grau:

  • Indivíduos incompetentes tendem a superestimar seu próprio nível de habilidade,
  • Indivíduos incompetentes não reconhecem habilidade genuína em outros,
  • Indivíduos incompetentes não reconhecem o grau extremo de sua inadequação,
  • Se treinados substancialmente para melhorar seu nível de habilidade, estes indivíduos serão capazes de reconhecer e admitir sua prévia falta de habilidade.

Eles testaram estas hipóteses em alunos da Universidade de Cornell registrados em vários cursos de psicologia.

Numa série de estudos, Kruger e Dunning examinaram auto-avaliações de habilidade lógica, habilidade gramática, e humor.

Depois de confrontados com suas notas nos testes, pediu-se aos avaliados que novamente estimassem seu nível de habilidade.

Neste momento o grupo competente na habilidade estimou seu nível corretamente, enquanto o grupo incompetente na habilidade superestimou seu nível.

Dunning e Kruger constataram:

“Em 4 estudos, os autores detectaram que participantes – com notas integrando os 25% mais baixos da pesquisa em avaliações de humor, gramática e lógica – superestimaram de forma brutal seu desempenho na avaliação e sua própria habilidade. De zero a dez, apesar do resultado de seus exames os colocarem com nota 1, eles estimaram ter tirado acima de 6”.

Enquanto isso, as demais pessoas com real conhecimento tenderam a subestimar sua competência.

Outros estudos sugerem que estudantes incompetentes melhoram seu próprio nível de habilidade e sua habilidade de estimar seu nível perante seus pares apenas depois de extenso treinamento nas habilidades que eles não possuíam.

Dica do Rodrigo Cacilhas

Deixe um comentário simpático neste artigo: