Por que se come peru na ceia de Natal?

Porque se come peru no Natal

COMO SURGIU A TRADIÇÃO


A Cachaça da Happy Hour

Por que se come peru na ceia de Natal é uma curiosidade que está relacionada ao consumo de peixes na Semana Santa — hábitos distantes entre si pelo início e pelo final do inverno.

Em quase todas as regiões do hemisfério Norte esta era a última oportunidade de se fazer uma grande ingestão calórica para suportar os rigores da neve e de baixíssimas temperaturas.

Nos referimos a um período em que a humanidade dispunha de comodidades mínimas para sobreviver ao frio e à fome, seguida de doenças e morte como consequência natural.

Então, no primeiro banquete, os cristão forravam o estômago pedindo a proteção divina; e, no segundo, os sobreviventes desnutridos iam à forra, alimentando-se agradecidos.

Mas a tradição teria surgido mesmo em outra festividade, também de caráter religioso, em Plymouth, Massachusetts, na época da colonização do que ainda viriam a ser os EUA.

No ano de 1621, no Dia de Ação de Graças, pela primeira vez serviu-se perus selvagens, criados pelos nativos mexicanos, como prato principal de uma celebração em louvor à fartura e abundância.

Peru disfarçado

Os espanhóis já os haviam levado antes, por volta do século XVI, do Novo Mundo para uma Europa esfomeada — fato que contribuiu para precipitar as grandes navegações.

Nessa época a realeza se esbaldava com faisões, gansos, cisnes e pavões — aves nobres –, enquanto os pobres disputavam como podiam os ovos de galinhas e, eventualmente, um franguinho (para não citar coisa pior).

O peru chegou em boa hora para alegrar a festa porque, além de ser relativamente barato, ganhava peso mais facilmente com seu peitoral carnudo.

Cristóvão Colombo foi apresentado ao peru quando chegou à América — e, mais tarde, um país andino chegou a ser homenageado com o nome da ave.

Como consta da história oficial, o navegador genovês acreditava estar chegando às Índias por um novo caminho e concluiu que o bicho era de origem indiana.

Peru com máscara

Por isso, o peru ficou conhecido na Itália como gallo d’Índia (ou dindio/dindo); na França, como coq d’Índe ou dinde; e na Alemanha, como calecutischerhahn, numa referência a Calcutá.

Por seu excelente sabor, foi logo aceito na Europa. De tanto sucesso, em 1549, foi oferecido à rainha Catarina de Médicis, em Paris. No banquete foram servidos cem aves (70 “galinhas da Índia” e 30 “galos da Índia”).

Tornou-se tão apreciado que se transformou no símbolo de alimento das grandes ocasiões — além do Natal, naturalmente.

Nos Estados Unidos, o peru representou o fim da fome dos primeiros colonos ingleses que lá chegaram, e hoje é prato obrigatório no Thanksgiving, ou Dia de Ação de Graças.

No Brasil não foi muito diferente, com a importação das tradições europeias. A ave é apreciada desde a época colonial, quando era servida também com acompanhamentos tropicais.

Com Você Sabia?

Deixe um comentário simpático neste artigo: