Pôquer online: acusações de fraude, suborno e lavagem de dinheiro

Repressão do FBI

JOGATINA E CRIMES DE 3 BILHÕES DE DÓLARES

O Chefe de Redação

Três dos maiores sites de pôquer online foram retirados da Internet pelo FBI, por determinação da justiça dos Estados Unidos.

Eles estão sob investigação por denúncias de fraude bancária, lavagem de dinheiro, suborno e apostas ilegais. O objetivo é tentar recuperar três bilhões de dólares — o equivalente a quase 5 bilhões de reais.

Onze executivos foram acusados de driblar as leis de jogo norte-americanas, enganando os órgãos fiscalizadores e os bancos, para que processassem bilhões de dólares provenientes de apostas ilegais realizadas na Internet.

Os donos dos grandes sites “PokerStars”, “Full Tilt Poker” e “Absolut Poker” estão entre os acusados.

Cinco nomes de domínios da Internet, que eram utilizados pelas companhias de jogos online, foram apreendidos pelas autoridades.

A justiça norte-americana ainda emitiu ordens de restrição contra mais de 75 contas bancárias, que seriam utilizadas pelas empresas de pôquer e os seus processadores de pagamento.

As companhias disfarçavam o dinheiro recebido, fingindo vender produtos inexistentes.

Fora da rede

Os promotores do Distrito Sul de Nova Iorque pretendem encerrar os sites de pôquer online, prender os executivos envolvidos no caso e recuperar cerca de 3 bilhões de dólares das companhias.

“Esses acusados, sabendo que o seu negócio com os clientes e bancos americanos era ilegal, tentaram continuar em ação”, disse a assistente do diretor do FBI, Janice Fedarcyk, em comunicado.

“Mentiram sobre a verdadeira natureza dos seus negócios. Depois, alguns dos acusados encontraram os bancos dispostos a desobedecer à lei por determinadas quantias”, indicou Fedarcyk. “Os acusados apostaram que podiam continuar com seu esquema, e perderam”, acrescentou.

A indústria de jogos online — que conta com mais de 15 milhões de apostadores regulares apenas nos EUA — movimenta anualmente somas estratosféricas no mundo inteiro.

Via JN

* * *

O Chefe de Redação

Deixe um comentário interessante neste artigo: