Poesia: O anjo que morava em mim… despediu-se e foi embora

Poema de Clóvis Campelo

O Chefe de Redação

O ANJO QUE MORAVA EM MIM

por Clóvis Campêlo *

O anjo que morava em mim
despediu-se e foi embora,
pois tudo tem sua hora
e tudo tem o seu fim.

Ainda o vi vacilante
dobrando a primeira esquina,
montado por sobre a crina
do cavalo rocinante.

Levantava altaneira
a espada da justiça,
a qual cortava linguiça
nos dias que ia à feira.

O anjo que morava em mim,
com toda a sua utopia,
foi tristeza e alegria,
histórias de folhetim.

Fez revoluções inúteis,
construiu muitas quimeras,
transformou gato em panteras;
em verdades, coisas fúteis.

Deixou-me aliviado
de tanta melancolia
pois só esperava o dia
de curtir os meus pecados.



* O pernambucano é Clóvis Campêlo é poeta, pesquisador e fotógrafo

No Vermelho, com remix de wallpaper do DeviantArt (clique para ampliar)

* * *

O Chefe de Redação


2 comentários em “Poesia: O anjo que morava em mim… despediu-se e foi embora

Deixe um comentário simpático neste artigo: