PIB – Perfeito Idiota Brasileiro, quer Batman do SFT para presidente

STF - Supremo Tribunal Federal

PRESIDENTE JOAQUIM BARBOSA

O Chefe de Redação

Dentro do mundo novo atual, a figura engalanada de Joaquim Barbosa surge absurdamente deslocada. É um herói apenas para ele, o nosso PIB — o Perfeito Idiota Brasileiro. Que como um doente terminal recorre a cirurgias mediúnicas na busca de um milagre.

COMO? JB PARA PRESIDENTE?

Por Paulo Nogueira *

Mais cedo ou mais tarde, JB tinha que entrar nos sonhos do Perfeito Idiota Brasileiro

Nosso Batman, aspas.

Presidente Joaquim Barbosa.

Juro. Como eu gostaria de ver Joaquim Barbosa ceder à tentação e concorrer à presidência em 2014.

Teríamos uma real oportunidade de ver o quanto a voz rouca das ruas verdadeiramente admira o nosso Batman, aspas.

Era previsível que a candidatura de JB fosse ventilada e desejada pelo PIB, o Perfeito Idiota Brasileiro.

Aos antigos heróis do PIB — Ali Kamel, Reinaldo Azevedo, Arnaldo Jabor, Dora Kramer, Augusto Nunes, Merval Pereira, Ricardo Setti e semelhantes — somou-se agora, em seu uniforme de Batman e seu palavreado pernóstico, Joaquim Barbosa.

Uma breve pausa para risos.

STF e PiG

Na falta de candidato forte, com o sepultamento das esperanças em Serra, ele próprio um PIB, o Perfeito Idiota Brasileiro se agarraria a qualquer esperança que aparecesse.

Como doentes terminais que correm a cirurgias mediúnicas na busca do milagre.

O que o PIB não percebe é que JB é um problema e não uma solução. Qualquer candidato que queira ser viável no Brasil contemporâneo tem que ser versado em justiça social.

Em todo o mundo civilizado, e o Brasil não é exceção, o maior desafio dos homens públicos é enfrentar a brutal concentração de renda ocorrida nas últimas décadas — e a abjeta iniquidade decorrente dela.

Romney perdeu para Obama, mesmo com os EUA numa crise econômica que em geral derruba presidentes em busca de segundo mandato, porque Obama explorou nele o símbolo da desigualdade americana — o magnata que despreza os pobres e paga impostos ridiculamente baixos.

François Hollande também bateu Sarkozy porque os franceses viram no baixinho narigudo o representante do 1% cada vez mais rico à custa dos 99%.

Na Venezuela, Caprilles se apropriou dos programas sociais de Chávez, que ele desprezara antes como assistencialistas. Ainda assim foi derrotado por ampla margem porque Chávez vem tendo um enorme sucesso na redução da miséria venezuelana.

Na China, a troca de poder que está se fazendo agora depois de dez anos, como tem acontecido lá, a expressão mais utilizada é “justiça social”. O governo chinês entende que o maior desafio, para o futuro, é evitar que a sociedade se divida entre poucos ricos e muitos pobres, porque isso significa riscos para a coesão do país.

Na Inglaterra, hoje mesmo, os presidentes das filiais de três grandes multinacionais — Google, Starbucks e Amazon — estão explicando ao Parlamento por que suas empresas pagam tão pouco imposto. “É como se as multinacionais pagassem impostos voluntariamente”, disse um parlamentar.

Também por trás desse movimento (que se vai internacionalizando) de cerco a grandes corporações, que fazem todos os truques possíveis para evitar impostos, está a busca de justiça social.

Dentro deste mundo novo, a figura engalanada de Joaquim Barbosa surge absurdamente deslocada. É um herói apenas para ele, o nosso PIB, o Perfeito Idiota Brasileiro.

* No Diário do Centro do Mundo

Deixe um comentário simpático neste artigo: